"> ESCLARECIMENTOS SOBRE MEDIUNISMO - ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

 ESCLARECIMENTOS SOBRE MEDIUNISMO (final)

24/2/2009

14 O QUE É DESENVOLVER UMA MEDIUNIDADE?

 

            Antigamente, quando eram ainda menores os nossos conhecimentos das mediunidades, achávamos que desenvolver uma mediunidade era acelera-la praticamente à força. Mas agora, felizmente, sabe-se que não é nada disto, haja vista que, em cada médium, a sua mediunidade, em sendo um processo natural, tem seu próprio tempo de afloração, crescimento e maturação. Assim sendo, em um médium a sua mediunidade pode, subitamente, se manifestar plenamente, mas em outros médiuns pode demorar dias, semanas, meses ou anos. Enfim, nas mediunidade cada caso realmente é um caso.

 Além disto, também se sabe que a melhor maneira possível de desenvolver uma mediunidade em um médium é desenvolver o médium, melhor dizendo, é o próprio médium se desenvolver.

Portanto, eu sei que eu mesmo devo me desenvolver como médium, ou seja, eu mesmo devo desenvolver os meus conhecimentos e as minhas aptidões de médium de “incorporação”.

 

            15 COMO EU DEVO ME DESENVOLVER COMO MÉDIUM DE “INCORPORAÇÃO”?

 Em qualquer atividade humana, somente aqueles que adquirem os necessários e suficientes conhecimentos teóricos e práticos podem ser competentes. Além disto, após adquirir os conhecimentos iniciais, sempre é indispensável o constante aprimoramento.

 Portanto, para eu bem me desenvolver como médium de “incorporação”, é absolutamente indispensável que, após eu adquirir aqueles conhecimentos indispensáveis, continuamente eu aprimore tanto os meus conhecimentos teóricos quanto a minha prática da minha mediunidade.

 

Observação - Como sabemos, infelizmente existem médiuns de “incorporação” que exercem suas mediunidades sem a menor preocupação tanto em estuda-la quanto em se desenvolver como médium. Eles nem sequer se preparam convenientemente nos dias dos seus trabalhos mediúnicos. Como é óbvio, essas pessoas podem ser consideradas (no mínimo) como médiuns relapsos e irresponsáveis!

 

16 COMO EU DEVO DESENVOLVER OS MEUS CONHECIMENTOS TEÓRICOS DA MINHA MEDIUNIDADE DE “INCORPORAÇÃO”?

 Por um lado - Pelo menos eu devo ler e estudar livros e apostilas sobre este assunto, por exemplo (e principalmente) o célebre “Livro dos Médiuns”, de autoria de Allan Kardec. Mas o desejável é que eu também leia e estude obras sobre temas correlatos e assemelhados, por exemplo (e principalmente) os também célebres “Livro dos Espíritos” e “O Evangelho segundo o Espiritismo”, ambos de autoria de Allan Kardec.

            Por outro lado - Dentro das minhas possibilidades, eu devo assistir palestras e participar de cursos, seminários, etc. sobre esses assuntos.

 

17 EM SEGUIDA AO DESABROCHAR DA MINHA MEDIUNIDADE DE “INCORPORAÇÃO”, O QUE EU DEVO FAZER?

 Sem nenhuma dúvida, o desabrochar da minha mediunidade de “incorporação” sempre é (salvo raríssimas exceções) uma inevitável fase crítica porque:

     Em primeiro lugar - Eu sinto, no meu corpo físico, aqueles desagradáveis sintomas já mencionados.

 Em segundo lugar - Eu posso ficar meio perturbado porque é possível que eu tenha pensamentos, sentimentos, vontades e desejos que eu não sei se são meus ou de desencarnados.

 Em terceiro lugar - Eu ainda não tenho suficientes conhecimentos sobre a minha mediunidade de “incorporação.

 Portanto, nessa normalmente crítica fase inicial da minha mediunidade de “incorporação”, as minhas prioridades absolutas devem ser duas:

  Primeira prioridade - Através daqueles livros, apostilas, palestras, cursos, seminários, etc., eu devo adquirir os conhecimentos necessários e suficientes sobre a minha mediunidade de “incorporação” e temas correlatos e assemelhados.

       Segunda prioridade - Eu devo tomar passes magnéticos ou (melhor ainda) passes mediúnicos pelo menos duas vezes por semana, e se possível mais vezes.

 Por que fazer isto?

 Porque esses passes, em sendo competentes, sempre atuam beneficamente nas minhas energias extrafísicas e, conseqüentemente, facilitam, ajudam e estimulam o sadio desenvolvimento da minha mediunidade de “incorporação”.

 

18 COMO MÉDIUM DE “INCORPORAÇÃO”,   EU SÓ INCORPORO BENFEITORES ESPIRITUAIS?

 Ah... essa é mais uma maravilha da minha mediunidade de incorporação!

    Motivo: Evidentemente sempre sob a supervisão direta e eficaz dos meus mentores espirituais, eu tanto posso “incorporar” guias espirituais, que auxiliarão muitas outras pessoas com passes mediúnicos e/ou consultas e/ou palestras, etc., quanto posso “incorporar” aqueles meus irmãos-em-Deus que ainda estagiam nas sombras e nas trevas espirituais (obsessores e espíritos maus e/ou sofredores) para assim eles poderem ser doutrinados, assistidos e auxiliados.

 

       19 DE QUE NÍVEL EVOLUTIVO PODEM SER OS GUIAS ESPIRITUAIS QUE EU “INCORPORO”?

  Ah... essa é outra maravilha da minha mediunidade de “incorporação” porque, caso a caso - a depender de vários fatores, tais como afinidade entre o médium e os guias espirituais, treinamento prévio do médium, necessidades específicas  de determinados trabalhos espirituais, etc. - os guias espirituais que “incorporam” em mim, embora todos sejam trabalhadores do bem e da luz, podem ser de diferentes níveis evolutivos e hierárquico.

 Por exemplo, podem ser elevados mentores, como Dr. Bezerra de Menezes, ou os valentes caboclos, ou os humildes e sábios pretos-velhos e pretas-velhas, ou os destemidos e heróicos guardiões (*) que, além de atuarem diretamente nas trevas, levando as luzes espirituais e enfrentando de frente as forças trevosas, são preciosíssimos protetores tanto de casas espirituais de luz quanto de benfeitores espirituais que atuam no plano físico.

 (*) Vale a pena esclarecer que - apenas em determinados cultos afro-brasileiros - chama-se de exus um determinado tipo de temíveis entidades, normalmente caracterizadas como pequenos “diabos” (?) capazes de praticarem tanto o bem quanto o mal. Infelizmente, muito infelizmente, esse lamentável equívoco está praticamente generalizado na cultura popular. Mas, como bem esclarecem nossos mentores, principalmente através da Umbanda, os verdadeiros exus são trabalhadores do bem e portadores da luz espiritual, que atuam diretamente nas trevas, executando aquelas heróicas tarefas espirituais junto a seres trevosos.

 

            20 EU JÁ OUVI FALAR EM TREINAMENTO PRÉVIO DO MÉDIUM DE “INCORPORAÇÃO”? O QUE É ISTO?

 Antes de eu encarnar, aconteceu comigo o seguinte fato que também ocorreu com todos os demais médiuns de “incorporação”:

Após a espiritualidade aceitar o meu pedido para eu nascer médium nesta minha atual encarnação, eu, antes de encarnar, fui encaminhado para uma Escola de Médiuns, na qual, durante anos a fio, fui treinado para o bom exercício da minha mediunidade de “incorporação”.

 É lógico que, conscientemente, eu não me lembro daquele aprendizado por causa das limitações do meu corpo físico. Mas, na medida em que atualmente eu estudo e aprimoro a minha mediunidade, aqueles conhecimentos naturalmente vão aflorando na minha mente, nem que seja de maneira inconsciente.

 Observação - Pela lógica, com todos os demais tipos de médiuns aconteceu a mesma coisa, ou seja, todos eles tomaram aqueles cursos pré-encarnatórios específicos sobre a mediunidade de cada um deles.

 21 EU TAMBÉM JÁ OUVI FALARDAS METAS ENERGÉTICAS DO BOM MÉDIUM DE “INCORPORAÇÃO”. O QUE É ISTO?

Na realidade, para tratar deste tão importante e útil assunto precisaríamos estudar e compreender a fundo o Magnetismo Humano Extrafísico. Mas ocorre que este assunto é muito amplo e profundo, portanto, não cabe nesta nossa apostila. Então o único jeito é respondermos de maneira bem resumida:

            No nosso cotidiano, todos os nossos pensamentos, palavras, sentimentos, emoções, ações, etc. produzem as nossas correspondentes energias extrafísicas, as quais, na maior parte, dirigem-se para o nosso campo magnético extrafísico, onde permanecem. Analisemos duas hipóteses:

   Primeira hipótese (excelente) - Na esmagadora maioria das vezes, os meus pensamentos, palavras, sentimentos, emoções, ações, etc. são positivos e potentes. Por exemplo, calma, alegria, bom humor, simpatia, fraternidade, solidariedade, honestidade, lealdade, etc. Conseqüentemente, o meu campo magnético extrafísico será muito positivo e potente.

 Segunda hipótese (péssima) - Na esmagadora maioria das vezes, os meus pensamentos, palavras, sentimentos, emoções, ações, etc. são negativos, muitos deles potentes. Por exemplo, raiva, ódio, tristeza, mau-humor, antipatia, mágoa, ciúme, rancor, cólera, desonestidade, etc. Conseqüentemente, o meu campo magnético extrafísico será muito negativo e potente.

  Ora, considerando-se que o meu guia mediúnico, para se “incorporar” em mim, forçosamente precisará entrar em contato direto com as energias do meu campo magnético extrafísico, aquelas duas hipóteses implicam no seguinte:

          Por um lado - Se o meu campo magnético extrafísico estiver positivo e potente, isto auxiliará (e auxiliará muito) o meu guia mediúnico a se “incorporar” em mim. Além disto, enquanto ele estiver “incorporado” em mim, aquelas energias positivas e potentes do meu campo magnético extrafísico o auxiliarão a bem executar seu trabalho mediúnico.

          Por outro lado - Se o meu campo magnético extrafísico estiver negativo e potente, isto dificultará (e dificultará muito) o meu guia mediúnico a se “incorporar” em mim. Além disto, enquanto ele estiver “incorporado” em mim, aquelas energias negativas e potentes do meu campo magnético extrafísico dificultarão o seu trabalho mediúnico.

           

Portanto, eu - na qualidade de bom médium de “incorporação” - devo ter as seguintes metas nas 24 horas do meu dia-a-dia:

   Minha primeira meta - Eu sempre me empenho ao máximo para gerar a menor quantidade possível de energias negativas, principalmente as potentes. Por exemplo, raiva, ódio, tristeza, mau-humor, antipatia, mágoa, ciúme, rancor, cólera, desonestidade, etc.

   Minha segunda meta - Eu sempre me empenho ao máximo para gerar a maior quantidade possível de energias positivas e potentes. Por exemplo, calma, alegria, bom humor, simpatia, fraternidade, solidariedade, honestidade, lealdade, etc.

 

     22 EM DETALHES, COMO EU DEVO BEM CUMPRIR O MEU MANDATO MEDIÚNICO?

É preciso considerar quatro tempos diferentes do meu dia-a-dia: O dia da prática da minha mediunidade, os demais dias, os momentos imediatamente anteriores à prática da minha mediunidade, e durante a prática da minha mediunidade:

    O dia da prática da minha mediunidade - Dentro do possível, porém com mais vigor do que nos meus demais dias, eu sempre me empenho para realizar aquelas minhas duas metas energéticas que acabamos de ver.

            Os demais dias - Dentro do possível, além de eu sempre me empenhar para realizar aquelas minhas duas metas energéticas, eu leio e estudo livros sobre a minha mediunidade e assuntos correlatos. E quando for o caso, assisto palestras e participo de cursos, seminários, etc. sobre esses temas.

            Os momentos imediatamente anteriores à prática da minha mediunidade - Eu sempre me concentro, oro e peço a Jesus (o comandante-em-chefe das forças do bem na Terra) que me auxilie a bem exercer a minha mediunidade de “incorporação”.

            Durante o exercício da minha mediunidade - Enquanto eu me esforço para não interferir no trabalho mediúnico do meu guia espiritual que está “incorporado” em mim, eu permaneço, dentro do possível, concentrado e orando, assim fornecendo preciosas energias positivas e potentes para aquele trabalho mediúnico.

Lembrete - Como já vimos, essa nossa grande dedicação à nossa mediunidade sempre será em paralelo com as nossas obrigações materiais, ou seja, sem prejuízo do necessário cumprimento dos nossos deveres profissionais, familiares, sociais, etc.

 

            23 PALAVRAS AOS CAROS(AS) LEITORES(AS)

            Pronto! Como sempre contando com a inestimável ajuda daqueles meus muitos queridos e tolerantes (*1) mentores e mestres espirituais que sempre me intuem, inspiram e guiam, está concluída esta primeira versão desta apostila que - deliberadamente de maneira “enxuta” (resumida) e simples - trata exclusivamente de assuntos básicos e úteis aos médiuns de “incorporação” em geral (*2) mas em particular, muito em particular aos médiuns estreantes nessa bendita mediunidade.

 (*1) Por que os mentores e mestres do autor são muito tolerantes? Vejamos a resposta: Por um lado, o autor não tem nenhuma mediunidade explícita. Será que, antes de encarnar, o pedido dele para ser médium explícito foi sumariamente negado?... Por outro lado, pior ainda, ele não é nenhum “santo”, e sim tem muitas falhas e imperfeições humanas. Conseqüentemente, somente à custa de muita tolerância, muita paciência e muita persistência, os mentores e mestres dele conseguem lhe inspirar, intuir e guiar...

 (*2) Como você já observou, a maioria das respostas que tratam especificamente da mediunidade de “incorporação” também se aplicam a muitas outras mediunidades.

 Voltando à “incorporação mediúnica”, vale a pena destacar que essa mediunidade é tão bendita, tão bendita, mas tão bendita que, por justíssimos motivos, é considerada a “rainha” das mediunidades.

 

Abraços baianos,

Francisco de Carvalho - francisco@portaluz.com.br

www.portaluz.com.br - um site porta-luz - um tijolinho a mais (apenas um modesto tijolinho a mais)

na construção da Nova Era pacífica, fraterna e solidária.

 

Category : HISTÓRIA, FILOSOFIA, TRADIÇÃO, MITOLOGIA Print

| Contact author |