"> TERRA OCA - CIVILIZAÇÕES I - ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

 TERRA OCA - CIVILIZAÇÕES INTRATERRENAS

9/3/2012

 terraoca


"Nãoé fácil trazer ao mundo profano verdades absolutas até então mantidas sob umvéu de mistérios e superstições. O homem terráqueo encarnado na superfíciepouco conhece de si e do Planeta que habita. Talvez, se houvesse acreditado epraticado as Sublimes Lições do Mestre Nazareno, não teríeis vós, nestemomento, que levantar o véu, pois já não existiria." (Li no livro: CIDADESINTRATERRESTRES - O Despertar da Humanidade/GER – Grupo de Estudos Ramatis,2003)."

Publiqueium texto sobre Serra do Roncador no Mato Grosso com a historia do CoronelFawcett, e a possibilidade da existência de vida intraterrena nessa região.
É atualmente um tema controvertido, mas sem duvida tem cada vez mais pessoasinteressadas neste fascinante e inquietante mundo. O Mundo dos Intraterrenos.Muitíssimo científicos de todo o planeta se unem a esta fantástica teoria,teoria que está sendo comprovada por eles mediantes cálculos científicos commuitas possibilidades da sua veracidade.
A melhor crônica de uma viagem a Terra oca fez o Almirante Richard E. Byrd deEUA. Seu descobrimento foi censurado e silenciado imediatamente pelas“autoridades”. A ‘Sociedade da Terra Oca’ em Austrália conseguiu conservar osregistros de Byrd que transcrevei adiante.

É a Terra oca por dentro e habitada por outras uma ou varias raças? Se vamosa http://maps.live.come elegemos a opção de 3D, para baixar a versão em três dimensões dessacartografia da NASA, podemos ver empregar a cartografia que emprega a NASA, quequer dizer que corresponde a fotografias de satélite tomadas pela NASA desdeespaço. Observa-se nesta imagem do Pólo Sul ampliada verá que tem um círculo nocentro da imagem. É um “remendo” que emprega a NASA para ocultar a cavidade noPólo Norte da Terra.

Se vamos ao Pólo Norte e observamos, nos damos conta de quenão existe nenhum casquete polar. Na foto aparecem os gelos de Groenlândia, onorte de Canadá e o norte de Sibéria, mas o casquete degelo do “Pólo Norte” não aparece por nenhuma parte, porque não existe. A NASAfalsificou a fotografia, ocultando a Abertura Polar Norte, da mesma maneira queocultaram a Abertura Polar Sul.

A ciência nos diz que estão os pontos, do norte e do sul,que marcam exatamente onde as linhas da longitude se cruzam. A pesar de tudonenhuma expedição teve êxito para chegar a tal ponto. Estudando amostras deperfuração profunda sabemos que a Terra é sólida a uma certa profundidade.Também sabemos que aumenta a temperatura dentro da Terra quanto maisprofundamente se perfura, ao menos até o ponto onde se explorou; e portantoassumimos assim que a Terra deve ser sólida em direção ao núcleo. Isso se devea medidas inexatas e uma assunção.

A compreensão atual da formação do planeta se forma atravésdas linhas de pensamento da 'Terra sólida'. Segundo Cate Malone, autor doartículo 'A Terra Oca', os astrônomos e os físicos crêem que os gases secondensam gradualmente em uma espiral que da voltas, até que a força dagravidade, (outro fenômeno não explicado) puxa dele sem forma sólida. Tem, noentanto, outras possibilidades; um estudo simples da força centrífuga poderiadesenhar uma Terra completamente nova para nós. A ciência aceita o que a Terrada voltas sobre seu eixo como um pião.

 Malone afirma em seu articulo o seguinte: a força centrífugafaz que a Terra se achate levemente no equador e se aplane nos pólos. Paravisualizar como poderia parecer a formação de um planeta, pense numa lavadoraautomática no ciclo de centrifugado. A roupa (gases, líquidos e partículas) selança para as extremidades da máquina(gravidade). A porção do centro permanecedesocupada. O oco do centro está firme.

Do mesmo modo que a Terra nunca deixou de dar voltas, assimesta maquina de lavar nunca sai de seu ciclo de centrifugado. Se a máquinacontinua dando voltas, a água e a roupa começam a agrupar-se no centro.

“Antes de que Colombo descobriraAmérica, a existência de um novo mundo cruzando o Atlântico, na forma de umcontinente ocidental, se considerava o sonho de um louco. O mesmo acontece, emnossa época, com a existência de um mundo novo, um mundo subterrâneo, nointerior oco da terra; uma terra tão desconhecida para a humanidade atual comoo continente americano para os europeus antes do descobrimento de Colombo.Portanto, não tem nenhuma razão para que não possa também ser descoberto e quese estabeleça sua existência como um feito”. (Dr. Raymond Bernard – Livro: ATerra Oca)

“Ë bem conhecido que os pólos magnéticos do norte e do sulnão coincidem com os pólos geográficos como deveriam... se a Terra fora umaesfera sólida com dois pólos no extremo de seu eixo, ao ser um ima, seus pólosmagnéticos coincidiriam com seus pólos geográficos. O fato de que não façam éinexplicável em base a teoria de que é uma esfera ‘sólida’. A explicação chegaa estar clara quando assumimos a existência de aberturas polares, com os pólosmagnéticos ao largo do borde circular destas aberturas, em lugar de num pontofixo.”

Segundo Bemard a razão pelo qual ninguém encontrou os pólosdo norte ou do sul é simples: “Os pólos magnéticos e geográficos nãocoincidem... porque enquanto que um pólo magnético se encontra ao largo doborde da abertura polar, os pólos geográficos se encontram no seu centro, emmeio do ar e não em terra sólida.”

Este é o aspecto que apresentaria a abertura da Terra noPólo norte, no interior da Terra tem uma segunda fonte de luz e energia, um solinterior.

 

AMelhor Crônica Moderna

A melhor crônica moderna sobre exploração e penetração emterras além dos pólos magnéticos fez o Almirante Richard E. Byrd, grandeChanceler da Ordem de Lafayette e da Cruz do Mérito, Secretário perpetuo daAcademia Federal da Marinha Americana e das Ciências. Como aconteceu com todasas explorações anteriores, a do Almir

ante Byrd foi envolta igualmente em mistério. A crônica começacom os contatos por radio durante seu vôo de 1.947 alem do norte magnético esobre o Pólo Norte, a larga marca depois do mítico ponto de terra no cume domundo. Durante a exploração da Antártica em 13 de janeiro de 1.956 diversosavisos de radio indicavam, “Em 13 de janeiro membros da

expedição de EUA conseguiram um vôo de 2.700 milhas (4.320kilómetros) desde a base de Mcmurdo Sound, que está a 400 milhas (640kilómetros) ao oeste do Pólo Sul, e penetraram uma terra existente de 2.300milhas (3.680 kilómetros) além do Pólo.”

Em 13 de março de 1.956 se cita a Byrd dizendo “a atualexpedição abriu uma nova terra extensa”. Muita gente recorda todavia asemocionantes declarações no jornal depois das expedições de Byrd. Anunciadocomo o maior explorador do mundo, a menção de Byrd de novas terras criou umgrande interesse.Logo tais declarações se desvaneceram tão rapidamente comogolpearam o ar. Os comentaristas de radio não falavam mais de seudescobrimento, os noticiários já não mostraram imagens da expedição de Byrd elogo o assunto desapareceu do olho público. Por que sucedeu isto? ¿DescobriuByrd realmente uma terra nova que poderia influenciar uma lógica e diferentecompreensão física da criação de nosso planeta?

 Esta interpretação do registro e do diário do vôo deAlmirante Byrd foi transcrita de uma fita de som. Esta copia do registro seobteve da 'Sociedade da Terra Oca' em Austrália. Se crê que é autêntica. Sem o registro originala mano, o leitor terá que decidir por si mesmo a autenticidade do material.

 

Prefaciodo almirante Byrd

“Este diário escreverei em segredo e de forma oculta. Contêmminhas anotações sobre meu vôo ártico de 19 de Fevereiro de 1947. Estou certode que chegará o dia em que todas as suposições e reflexões do homem se dissiparampara converter-se em nada e se terá que reconhecer a irrefutável verdadeevidente. Denegaram-me a liberdade de publicar estas anotações e talvez nuncacheguem a luz da opinião pública. Mas eu tenho uma tarefa que cumprir, e o queeu vivi deixarei aqui escrito. Confio em que tudo isto possa ser lido, e quevenha um tempo em que a ambição e o poder de um grupo de pessoas não possa maisocultar a verdade”.

 

Registrode Vôo do livro de Bordo

Campo Ártico, 19 de febrero de 1.947:

-Gelo e neve extensos abaixo. Observo uma coloração denatureza amarelenta. Está dispersa em forma lineal ou longitudinal.

-Altero o curso para examinar melhor este padrão de corabaixo. Também tem uma cor vermelha púrpura.

-Circundo esta zona com duas voltas completas e volto ao rumoda bússola. Faço de novo uma comprovação da posição com o acampamento base.

-Retransmito a informação referente a coloração do gelo e aneve abaixo.

-Tanto a bússola magnética como a giroscópica começam agirar e a vibrar. Não podemos manter nosso rumo mediante os instrumentos. Meoriento com a bússola solar e tudo parece bem. Os controles respondemlentamente, tem uma qualidade vagaroso. Contud

o não tem indicação de formação de gelo.

-A distancia estão o que parece ser montanhas. Transcorreramvinte nove minutos de tempo de vôo e o primeiro avistamento de montanhas não énenhuma ilusão. Tem montanhas que consistem em uma cadeia pequena que nuncahavia visto antes.

-Mudo de altitude a 2.950 pies. Encontrando uma turbulênciaforte outra vez.

-Cruzamos sobre uma cadeia pequena de montanhas que todaviaprocedem ao norte como se pode comprovar melhor. Bem depois da cadeia demontanhas está o que parece ser um rio pequeno. Um vale com um rio pequeno quetranscorre através da porção central.

-Não deveria haver um vale verde abaixo. Algo estádefinitivamente incorreto e anormal aqui. Deveríamos estar sobre o gelo e aneve.

-A babor tem grandes bosques que crescem ao lado damontanha. Os instrumentos giram todavia. O giroscopio oscila constantementepara cima e para baixo.

-Altero a altitud a 1.400 pes e executo uma curva fechada aesquerda para examinar melhor o vale abaixo.

-É verde com musgo ou um tipo de erva firme. A luz aquiparece diferente. Não posso ver o Sol mais.

-Fazemos outro giro a esquerda e detecto o que parece ser umgrande animal abaixo.

-Parece ser um elefante, não, parece um animal como ummamute! Isto é incrível, mas aí está. Baixamos de altitude a mil pés e pego osbinóculos para examinar melhor o animal. -Está confirmado, definitivamente é umanimal gigantesco como um mamute. Informo isto ao acampamento base.

-Encontro mais colinas verdes onduladas.

-O indicador externo de temperatura marca 74 grausFahrenheit (23º Centígrados). Continuo em nosso encabeçamento agora.

-Os instrumentos de navegação parecem normais agora. Medesconcertam suas ações.

-Intento entrar em contato com o acampamento base. A radio nãofunciona.

-Começa a fazer calor. O indicador nos diz que estamos a 74grados Fahrenheit (aprox. 23º C).

-Mantemos nosso curso. O campo está mais nivelado que onormal, sim é certo o terreno abaixo fica cada vez mais plano.

-Não sei se me expresso corretamente, mas tudo da umaimpressão de completa normalidade.

-A continuação detectamos o que parece ser uma cidade,Diante de nos se levanta com absoluta claridade uma cidade!!! isso éimpossível!

-O avião parece leve e estranhamente sustentado. Oscontroles rejeitam responder.

-Meu Deus, fora de nosso porto e na asa de estribor tem umtipo estranho de avião , se aproximam rapidamente ao nosso lado! Têm forma dedisco e uma qualidade radiante neles, irradiando um brilho próprio.

-Estão bastante próximo agora e posso ver as marcasneles." É um tipo de cruz esvástica. -Isto é fantástico! Onde estamos? Quesucedeu?

-Intento os controles outra vez. Não respondem. Estamospresos em um parafuso de agarre invisível de algum tipo.

-Nossa radio emite uns estalidos. Uma voz nos fala em línguainglesa.

-A voz tem leve sotaque alemão ou nórdico: “BEM VINDO ANOSSO TERRITÓRIO, ALMIRANTE”!!!

-”Em exatamente sete minutos lhe faremos aterrissar. Porfavor, relaxa almirante, está Vs. em boas mãos.”

-De aqui em diante nossos motores deixam por completo defuncionar. O controle de todo o avião está em mãos alheio.

-O avião gira em torno a si mesmo.

-Nenhum instrumento reage.

-Recebemos precisamente outra comunicação por radio, que nosprepara para a aterrissagem. -A continuação começamos sem demora com aaterrissagem.

-A través de todo o avião passa um suave tremor quase queimperceptível.

-O avião baixa até o solo como um imenso e invisívelelevador.

-Levitamos de maneira totalmente suave até aí.

-O contato com o solo quase não se nota. Somente um ligeiroe curto choque.

-Faço minhas últimas anotações de bordo a toda pressa.

-Se aproxima um pequeno grupo de homens até nosso avião.Todos eles são bem altos e tem cabelos claros. Mais atrás vejo uma cidadeiluminada. Parece resplandecer nas cores do arco-íris. Os homens estãoaparentemente desarmados. Não sei o que agora nos espera. Claramente, uma vozme chama por meu nome e me ordena abrir. Obedeço e abro a porta de carga.

Aqui terminam as anotações em meu livro de bordo. Tudo o queescrevo agora é de memória.

É indescritível, mais fantástico que toda a fantasia, e seeu mesmo não houvera vivido, qualificaria de completa loucura. Nos dois, meuoperador de radio e eu, somos conduzidos fora do avião e cumprimentados comamabilidade. Então, nos conduzem a um disco deslizante, que aqui utilizam comomeio de locomover. Não tem rodas. Com enorme rapidez nos aproximamos abrilhante cidade. -O esplendor de cores da cidade parece provir do materialparecido ao cristal em que está construída. Derrepente nos paramos diante de umimponente edifício. Semelhante arquitetura não havia visto até agora em nenhumaparte. Não é comparável com nada. A arquitetura é como se originassediretamente da mesa de desenho de um Frank Lloyd Wright, o bem podia ter tiradode um filme de Buck Roger. Nos dão uma bebida quente. Esta bebida tem um sabordiferente a tudo o que eu tenha desfrutado. Nenhuma bebida, nenhuma comida temum sabor comparável. Um sabor simplesmente diferente, mas um sabor delicioso.Se passaram uns dez minutos, quando dois destes estranhos homens que temos poranfitriões se aproximam a nós. Se dirigem a mim e me comunicam sem sombra deduvidas que devo acompanhar-lhes.

-Não vejo outra alternativa que cumprir sua ordem. Por tantonos separamos. Deixo a meu operador de radio e sigo aos dois. Pouco depoischegamos a um elevador, no qual entramos. Nos movemos para baixo. Quando nosdetemos, a porta se desliza silenciosamente pra cima. Caminhamos por umcorredor comprido em forma de túnel e iluminado por uma luz de cor vermelhaclara. A luz parece emanar das mesmas paredes. Chegamos ante uma porta grande.

Ante esta grande porta nos paramos e permanecemos assim.Sobre a grande porta se encontra um letreiro sobre qual nada posso dizer. Semnenhum ruído se desliza a porta a um lado.

Uma voz me exorta a entrar. “Não se preocupe, almirante”, metranqüiliza a voz de um de

meus dois acompanhantes, “o Mestre irá receber-te!” Demaneira que entro. Estou deslumbrado. A infinidade de cores, a luz que enche oambiente, meus olhos não sabem a onde olhar e tem primeiro que acostumar-se ascondições. Passa um tempo até que posso reconhecer algo que me rodeia. A belezaque vejo agora nunca vi em toda a minha vida. É mais esplêndido, mais bonito emais suntuoso do que eu podia descrever. Creio que nenhum idioma pode resumircom palavras o que pode ver. Creio que a Humanidade falta palavras para isso.Minhas observações e reflexões foram interrompidas por uma voz melodiosa ecordial:

“Te dou as boas vindas!. Seja Vs. da forma mais cordial bemvinda em nosso país, almirante”. Ante mim está um homem de grande estatura euma fina cara marcada pela idade. Está sentado a uma imponente mesa e me dá aentender com um movimento da Mao que devo sentar-me a uma das cadeiras. Obedeçoe me sento, depois junta suas mãos de forma que se tocam as pontas dos dedos.Me ríe.

-“Nos deixamos vocês virem, porque tem Vs. um caráterconsolidado e acima no mundo goza de uma grande fama.

-”Acima no mundo?”, me falta o ar.

“Sim”, contesta o Mestre lê a meus pensamentos, “Vs. Estáagora no

império dos Arianni, no interior do mundo. Não creio que nostenhamos que interromper sua missão muito tempo. Vs. logo será conduzido asuperfície da Terra. Mas antes vou a comunicar por que eu te fiz vir,almirante. Nos seguimos os acontecimentos que se produzem acima sobre a Terra.Nosso interesse foi despertado quando Vocês lançaram as primeiras bombasatômicas em Hiroshima e Nagasaki. Naquela péssima hora fomos a seu mundo comnossos discos voadores. Tínhamos que ver pessoalmente o que fizeram vossa raça.

Entretanto já faz muito isso, e vocês diriam que é historia.Mas é para nós significativo, por favor deixem continuar. Nos não nosintrometemos em vossas disputas y guerras. Vossas barbaridades consentimos. Mascomeçaram a experimentar com forças que na realidade não estavam pensadas paraos homens. Isto é a força atômica. Já intentamos algumas coisas. Fizemos chegarmensagens aos estadistas do mundo mas eles não crêem na necessidade deescutar-nos. Por este motivo foi Vs. elegido. Vs. deve ser nosso testemunho,testemunho de que nós e este mundo no interior da Terra existimos, que nós aquirealmente existimos. Olha a seu redor, e Vs. rápido comprovará que nossaciência e nossa cultura estão vários milhes de anos por diante das vossas. MireVs., almirante.”

-”Mas”, interrompi ao Mestre, “que tem isto que ver comigo,senhor?

O Mestre parecia submergir-se em mim, e depois de que umtempo me havia examinado, me contestou:

-”Vossa raça alcançou um ponto de não retorno”. “Tem apessoas entre vocês que estariam dispostos a destruir a Terra intera antes deperder seu poder, o poder que eles crêem conhecer.” Eu de novo dei a entendercom um movimento de cabeça que seguia suas explicações.

O Mestre continuou falando-me: “Já faz dois anos intentamosuma e outra vez contatar com vocês. Mas todos nossos intentos são contestadoscom agressividade. Nossos discos voadores são perseguidos por seus aviões decombate, atacados e disparados. Agora devo dizer-lhe, meu filho, que uma enormee nefasta fúria se levanta, que uma poderosa tormenta varrerá seu país, edurante muito tempo arrasará. Desconcertados diante disso estarão seuscientíficos e exércitos e não poderão oferecer nenhuma solução. Esta tormentatem poder de aniquilar toda a vida, toda a civilização de Vocês, de forma quetoda cultura poderia ser destruída e tudo poderia fundir-se no caos. A grandeguerra que acaba de terminar é somente um prelúdio do que pode vir sobre vocês.Para nós aqui isto se faz patente hora trás hora de maneira mais clara. Partada base de que me equivoco”.

-”Não, já veio uma vez a época escura sobre nós, e durou 500anos”, repliquei ao Mestre.

-”É verdade, meu filho”, me contestou, “os tempos sombrioscobrirão seu país de cadáveres. E parto da base de que alguns de sua raçasobreviverá a esta conflagração. O que depois ocorrerá não posso revelar-lo.Nós vemos num futuro longínquo surgir uma nova Terra, que será construída comos escombros de seu velho mundo, e lembrarão de seus tesouros legendários ebuscarão. E veja, os tesouros legendários estará aqui conosco. Nós somosaqueles que os mantemos a salvo. Quando começar esse futuro, nos apresentaremosa vocês, ajudaremos aos homens a revivificar sua cultura e sua raça. Talvezentão já estará aprendido que guerra e violência não conduzem ao futuro. Para otempo que seguirá, se fará acessível antigos conhecimentos. Conhecimentos quejá tiveram uma vez. De Vs.,meu filho, espero que volte a superfície com estasinformações”.

Com esta exigência terminou o Mestre sua exposição e medeixou muito desconcertado, mas para mim estava claro que o Mestre tenha razão.Por consideração ou por humildade, não sei, me despedi de todas as formas comuma ligeira inclinação. Antes que poderá perder-me apareceram meus doisacompanhantes, que me haviam conduzido até aqui.

Me indicaram o caminho. Eu me voltei ao Mestre. Havia umacálida e amistoso sorriso em sua velha e nobre cara:

- ”Desejo a Vs. uma boa viagem, meu filho”, fez por último osinal da paz e então nosso encontro havia chegado inevitavelmente ao seu fim.

Voltamos rapidamente a nosso elevador. Nos movemos paracima. Entretanto me explicou um de meus dois firmes acompanhantes que trásfinalizar a conversação com o Mestre tenhamos pressa de verdade. O Mestre denenhum modo queria atrasar-nos mais, e ademais era importante que eu levasseimediatamente a mensagem recebida a mi raça, me aclarou. A todo isto eu nãodisse nada. Quando fui conduzido até meu operador de radio, comprovei que eleprovavelmente tenha medo, isto ao menos se refletia em sua cara.

-“Tudo está em ordem, não tem com que preocupar-se, Howie,todo está certo.”, intentei tirar-lhe o medo. Junto com nossos acompanhantes,fomos de novo ao disco deslizante, que velozmente nos devolveu a nossa avião.

Os motores já estavam funcionando, e nos encontramosimediatamente a bordo. Havia uma atmosfera de tremenda pressa, a necessidade deatuar rápido era evidente.Imediatamente depois de que fechamos a porta, nossoavião foi elevado nas alturas por una força inexplicável para mim, até quevoltamos a encontrar-nos a 2.700 pies (aprox. 825 metros). Fomos acompanhadospor dois de seus discos. Se mantiveram a uma certa distancia de nós. Ovelocímetro não indicava em nenhum momento velocidade alguma, a pesar de queesta havia aumentado enormemente. Nossa radio no entanto funcionava, erecebemos uma última mensagem dos objetos voadores que nos acompanhavam.

-”A partir de agora pode Vs. voltar a utilizar todos seusequipamentos, almirante, seus instrumentos voltam a ser funcionais. Nós osdeixaremos agora. Até a vista”.

Seguimos com nossos olhos aos objetos voadores até que seperderam no céu azul pálido. De imediato tivemos ao nosso avião de novo baixonosso controle. Não falamos entre nós, cada qual estava demasiado ocupado comseus pensamentos.

Última anotação no livro de bordo:

-Nós encontramos de novo sobre vastas regiões cobertas deneve e gelo.

-Estamos todavia aproximadamente a 27 minutos de vôo dabase. Podemos enviar mensagens por radio, e nos respondem. Informamos que todoé normal. A base está contenta de que voltou a ter comunicação.

-Temos uma aterrissagem suave.

Eu tenho um encargo.

Fim das anotações no livro de bordo.

terraoca2

4 de Março de 1947: Eu estava numa reunião no Pentágono.Informe detalhadamente sobre meus descobrimentos e sobre a mensagem do Mestre.Todo foi gravado e escrito. O presidente também foi informado. Fui retido aquidurante varias horas (exatamente foram seis horas e trinta e nove minutos). Fuiinterrogado minuciosamente por uma equipe de seguridade e por uma equipemédico. Foi um inferno!.

Fui posto baixo a estrita supervisão da Previsão Nacional deSeguridade dos Estados Unidos de América.Eu havia recebido a ordem de guardarsilencio sobre tudo o que havia vivido pelo bem da Humanidade. ¡Incrível!

Recordaram-me que sou um oficial e que, portanto devoobedecer suas ordens. 30 de Dezembro de 1956: Última anotação: Os anosposteriores a 1947 não foram muito agradáveis para mim… Faço agora a últimaanotação neste especial diário.

Queria mencionar que me calei aos descobrimentos que fiz,tal como me ordenaram. Mas isso não é o que tenho em mente! Noto que logochegará minha hora. Mas não morrerá este segredo comigo, sim que será difundido– como toda verdade. E assim será.

Somente assim pode existir a única esperança para aHumanidade. Eu vi a verdade. Ela me fez despertar e me liberou.

Cumpri meu dever com o enorme complexo militar e econômico.

Minha longa noite se aproxima, mas terá um fim. Assim como alonga noite do Ártico tem um fim, assim também a verdade voltará como umluminoso raio de sol, e os poderes escuros não poderão atravessar a luz daverdade…

Vi o país além do Pólo, o centro do Grande Desconhecido!

R.E.B. US Navy

(Essa transcrição do diário de Byrd é a tradução da ediçãoalemã “Das Tagebuch des Admiral Byrd” e foi realizado pela web HitlerismoEsotérico. http://libreopinion.com/members/neuschwabenland

 

Além de Byrd outrosexploradores como Olaf Jansen,também garante haver observado a inesperadaabertura da Terra no Pólo Norte. A localização mais plausível deste oco sesitua a 84.4 latitude Norte, 141 longitude Leste. Em 2006, Steve Curreyplaneava uma aventura similar para determinar de uma vez por todas, se a Terraera oca ou não. Lamentavelmente faleceu antes que sua aventura se levara acabo, o site desta aventura se encerrou e todos as futuras viagens a bordo dobarco quebra gelos nuclear russo YAMAL, quem havia contratado Currey 100 viagensao pólo norte para levar a cabo observações científicas se cancelaram. Mas alenda ou o conhecimento de que a Terra está oca vem de muito, muito antes dasexpedições de Byrd.

Há 7000 anos ja se falava do reino de Agharta y Shambala,reinos localizados embaixo da superfície da Terra cheios de esplendor e quefizeram sonhar ao ser humano desde muito tempo.

Julio Verne, na sua obra: “Viagem ao Centro da Terra”(1864), cria a ficção de que existe uma terra de monstros primitivos e raçasextinguidas, com mares e um sol próprio no interior do planeta. Quando era umadolescente, havia desfrutado tremendamente com as aventuras do professorLindenbrock e sua ajudante Alex, enquanto que, durante sua intrépida aventuradescobrem vida no centro da Terra. Mas foi com seu idolatrado escritor, LobsangRampa, com qual descobriu a porta do mistério, um mistério que, no lugar dediminuir-se, se abriu mais e mais baixo seus pés a medida que se interessavapor ele, até o ponto de constituir uma autêntico obsessão

Lobsang Rampa, define na sua teoria da “Terra Oca” umaconfiguração do planeta Terra bastante peculiar. Concebe ao planeta como sefosse um coco vazio de seu líquido interior, com dois “buracos” nos pólos e umsol interior, a modo de bola de plasma, ocupando o centro geométrico da esferaoca, e incluso, se “atreve” a dar dimensões, assegurando que a espessura de suacorteza interior seria de somente mil

trezentos kilómetros dos aproximadamente doze milseiscentosoitenta kilómetros do diâmetro exterior da Terra

Bulwer Lytton, escritor inglês mais conhecido por suanovela: ‘The Last Day of Pompeii’(Os últimos dias de Pompeia), público em 1871um curioso livro titulado: ‘The Coming Race’(A raça que vira), nele, contaLytton uma estranha viagem ao interior da Terra, acontecido ao principio doséculo XIX, a viagem começa numas minas abandonadas em Inglaterra donde asquais, e a partir de uma galeria subterrânea secreta, o protagonista de suanovela chega a um mundo subterrâneo habitado por uns homens de uma mente súper-desenvolvidaque o protagonista chega a considerar como semideuses, e que possuem umaenergia que supera o imaginável, denominada energia Vrill.

Segundo a novela de Lytton, esse mundo fabuloso sedenominava Agharta (outros autores a nomeiam como Agharti e Agarttha), e suacapital Shamballah (Shamb-Allah), se encontrava no interior da Terra. Osantepassados desses seres procederiam da superfície exterior da terra, havendoencontrado o acesso a seu interior trás terríveis terremotos e cataclismos nasuperfície exterior do planeta. Esta novela se parece “suspeitosamente” a queJulio Verne havia publicado em 1864, mas seu conteúdo é muito diferente, quantoa descrição de uma raça humana muito evolucionada, enquanto que na novela deVerne, somente se mencionam as ruínas da Atlântida...

A verdade é que nesse século houve uma “febre” de estranhashistorias sobre a cavidade terrestre, incluso algumas fotos suspeitosas saírama publicação.

Ainda que, remexendo nos velhos baús, o que atraipoderosamente a atenção foi descobrir, nos EUA., e precisamente em Saint Louisuma estranha historia anterior a publicaçãode ‘Viagem ao Centro da Terra’ deVerne…

Em 1816 todos os membros do Congresso dos Estados Unidos, osreitores de muitas universidades e vários letrados e licenciados de váriosestados, receberam uma estranha carta. Estava assinada no dia dez de Abril de1816 em Saint Louis território de Missoury pelo capitão de infantaria JohnCleves Symnes e, se dirigia aos mais altos cargos da jovem nação, nos seguintestérminos:

“ Ao Mundo Inteiro:

Eu, afirmo que a Terra está Oca e é habitável no seuinterior. Ela está formada por varias esferas sólidas e concêntricas colocadasuma dentro da outra e está aberta nos pólos com uma abertura em cada um,situada entre os 12 e os 16 graus. Me comprometo a demonstrar a realidade doque afirmo, mediante uma viagem de exploração ao interior da Terra, se o mundoaceita ajudar-me na empresa.”

Mesmo que obviamente, o “Mundo” rejeitou a generosa ofertade Symnes, este popularizou numerosas conferencias e teve um grande impacto naopinião pública da época e incluso chegou a fazer uma modesta carreirapolítica; deixando a sua morte numerosos anotações e um pequeno modelo demadeira da “Terra Oca”, que se exibe atualmente na Academia de Ciências Naturaisde Filadélfia.

Ao que parece o ocoda Terra não é algo exclusivo deste planeta. Muitos outros planetas, satélitese cometas mostram a mesma cavidade no seus pólos. Provavelmente mostra que noprocesso de formação destes objetos celestes a força centrífuga na rotaçãodeixa oco o interior.

Imagens reveladoras de satélite mostram essa abertura daTerra em, ao menos, um de seus pólos. Esta fotografia foi tomada no Pólo Norteda Terra, Missão STS75, 1996. O antigo link oficial onde podia ver-se a foto jánão está ativa.

www.pao.ksc. nasa. gov/kscpao /spanish/75 fact2s .htm

colaboração de Magdalena Piga (redeaquariana)

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=6LhhFBgilew#!


Category : ESOTERISMO, CANALIZAÇÕES, UFOLOGIA Print

| Contact author |