"> EU TENHO TURMA - Vitor - ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

 EU TENHO TURMA - Vitor Necchi

21/6/2011

Eu tenho turma...           

Quando me sinto cansado demais, quando tenho muito o que fazer, quando fico tenso, quando o dia e a semana exigem e parece que o tempo não será suficiente para tudo, nesses momentos fraquejo e tenho vontade de chorar. Hoje foi um dia assim.

 Pelo menos em dois momentos quase chorei, mas me contive, porque frescura tem hora, né?

 Mas o fato é que esta sexta-feira, que nem diria um saudoso e sensível ex-aluno, esta sexta-feira veio de gangue pra cima de mim.

 Logo cedo me irritei profundamente com a crônica do David Coimbra em ZH.

 Intitulada "Eu não tenho turma", ele dispara sua cólera retórica contra petistas, ecologistas, budistas meditadores, veganos, feministas e defensores dos animais, todos perfilados sob o mesmo adjetivo: malas.

Seguindo a verve de cronista esperto, ele dispara contra alguns religiosos, liberais, saudosistas da ditadura, racistas, integrantes do movimento negro, antitabagistas, o pessoal da Massa Crítica e lingüistas e intelectuais que discutem preconceito lingüístico. David Coimbra se mostra irritado com os malas organizados que enchem o saco dele.

 E dispara: "Eu não tenho turma, eu não quero ter turma, com exceção das pessoas de quem gosto, que não formam uma associação, que não são ONG (malas!), nem movimento de coisa nenhuma".

Pois num dia que se iniciou me irritando com o texto do David Coimbra e que me deu vontade de chorar durante seu desenrolar em razão da loucura da vida, esse dia terminou há pouco e eu sorri porque sou um mala.

 Tive vontade de sorrir, sobretudo, porque tenho amigos malas que acreditam no poder que têm de transformar o mundo, por mais clichê que isso possa soar para os espertos que não gostam dos malas que se agrupam em torno de causas comuns.

É madrugada de sábado. Moro no Rio Grande do Sul, o estado mais meridional do Brasil onde o frio não é retórica.

 Mais do que chamariz para turistas encasacados, o frio sulino fere a carne e a dignidade de quem vive nas ruas.

O povo das ruas, que muitos chamam de mendigos, desocupados, bêbados, viciados ou vagabundos, são pessoas que em algum momento da vida perderam o vínculo com a formalidade do mundo.

 A família, o teto, o trabalho, a capacidade produtiva, os afetos, o orgulho, as posses, tudo ficou para trás, e a rua, sedutora e perigosa, se tornou abrigo desse contingente. A rua, dizem, é de todos, e ela recebe quem se esquiva da vida pretérita ou quem teve seu futuro subtraído.

 

É madrugada de sábado em Porto Alegre e pela primeira vez em muitos intermináveis anos o seu Valdir terá um teto.

 Em Viamão, município vizinho desta Porto Alegre gelada, seu Valdir e sua cadela, a Princesa, se encontram abrigados numa casa.

Deve estar meio escuro, pois a correria e a excitação causadas pela bondade impediram que os benfeitores se lembrassem de solicitar à CEEE que a eletricidade fosse restabelecida na casa humilde, mas tudo bem.

O escuro não deve assustar quem sobreviveu no hiato da vida mimetizada sob a curva de um viaduto cinza.

É madrugada. Na sexta-feira que se encerrou há pouco, fiquei irritado com o David Coimbra e a exaustão me deu vontade de chorar, mas em poucos minutos deitarei sorrindo porque tenho amigos malas que formam um grupo e compartilham crenças.

 Entre esses malas, há aqueles que salvam animais...

A Thiane, por exemplo, é muito mala, essa guria.

Vocês não imaginam quantos animais ela já salvou e conduziu a uma casa onde fossem bem tratados.

 Dezenas de malas doam dinheiro para a Thiane, compram as rifas da Thiane, comparecem aos bazares organizados por ela com o único propósito de ajudar gatos.

 Cada vez que eu faço uma doação para ela, sei que a causa desta mala dá mais um passo.

Confio cegamente nessa mala e seguirei contribuindo com suas loucuras.

 Há outros malas que conheço e que abrigam em suas casas animais enxovalhados por seres humanos.

Eu mesmo sou um mala. O Rufus e seus três irmãos foram resgatados de dentro de um saco amarrado jogado num mato.

A morte era certa, mas a Candice resgatou a prole e cuidou dos gatinhos até eles completarem dois meses.

Um deles é o Rufus, que há mais de dois anos mia todo dia quando pressente minha chegada.

 Outra mala é a Cleide, que resgatou a Yolanda na beira de um esgoto na Região Metropolitana.

Quando a trouxe para casa, ela tinha medo das pessoas, do vento, de espirro.

 Com o tempo, a vilania dos chutes e pedradas restou no passado e ela foi se chegando, se aninhando.

 Hoje, a linda gata plúmbea lambe minha barba antes de deitar ao meu lado e esfrega a cabeça na mão das visitas.

 Mas a mala suprema da semana e de todos os dias é a Katarina, amiga exuberante que transborda afeto e indignação.

 Essa mala tem uma turma de malas que compartilham sentimentos.

A Katarina, mala como sempre, descobriu seu Valdir e sua Princesa na rua.

 A força do seu olhar insubordinado detectou que a dignidade podia ser devolvida para este cidadão que vive na rua mas não é da rua.

Ela descobriu que seu Valdir teria direito a benefícios sociais e foi atrás deles.

 Ela acenou e os amigos malas atenderam.

 Uns deram dinheiro, outros, móveis e roupas.

 Foram dias e dias de mobilização, e o resultado é que o seu Valdir se encontra, nesta madrugada gelada, abrigado sob um teto que pode chamar de seu.

Nesta madrugada gelada que sucede um dia tenso de uma semana louca que me deu vontade de chorar, vou para a cama sorrindo porque a Thiane é uma mala, a Candice é uma mala, a Cleide é uma mala.

 Deito sorrindo porque tenho amigos malas.

 Deito emocionado porque a Katarina é uma mala imensa.

 A bondade e o amor não são clichê, nem cafonice, muito menos retórica na vida da exuberante Katarina.

 E essa “malice” contagia.

 David Coimbra, eu amo meus amigos malas.

 Eu me inspiro nos militantes malas.

 Eu respeito as ONGs malas.

 Eu financio malas que cuidam de bichos escorraçados.

 Eu defendo malas negros, gays, deficientes, travestis, ambientalistas.

 Eu me somo aos malas que ampararam seu Valdir e sua cadela.

 Eu tenho uma amiga chamada Katarina que tem o coração do tamanho de uma Kombi anos 70 e, de tão mala que é, de tão obstinada, de tão desbragadamente mala, conseguiu dar dignidade a um homem que precisava apenas de um aceno para recompor sua vida.

 David Coimbra, mais do que amigos, eu tenho uma turma de malas.

E isso me dá um baita orgulho.

       

Vitor Necchi - Coordenador do Curso de Jornalismo da PUCRS

Contribuição de Ulisses10 (redeaquarianabrasil)

Category : PENSAMENTOS, BIOGRAFIAS, ENTREVISTAS, CRONICAS Print

| Contact author |