"> AS ERAS ASTROLÓGICAS - ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

 AS ERAS ASTROLÓGICAS (1ªparte)

30/4/2011

 Falando sobre a ERA DE AQUÁRIO e o DESAFIO DE AQUÁRIUS

 

mudras

Há um tempo de nascer, e um tempo de morrer;
um tempo de procurar, e um tempo de perder.
Eclesiaste

 

Eras Astrológicas

A descrição mais ampla e detalhada dos estudos de outros astrólogos sobre a determinação do inicio e fim de cada Era, especialmente a Era de Aquário

  • argumentos mais convincentes do inicio e fim de cada Era, segundo a escolha que se faça de um o outro zodíaco sideral. A questão da determinação do inicio e fim das Eras astrológicas depende da definição de Zodíaco sideral, que está subordinado ao movimento da eclíptica no fundo estelar e a definição de constelação zodiacal ou signo sideral.
    • reflexão sobre o ponto zero da constelação de Áries
    • no caso da escolha das constelações segundo Ptolomeu, definir melhor qual o momento no tempo da eclíptica escolhida
  • mais fatos históricos relacionados com as Eras
  • a questão do dilúvio a 10 mil anos atrás que algumas pesquisas históricas se resistem a citar. E um detalhamento melhor dos acontecimentos mais importantes no tempo de 12 mil anos atrás até a Era cristã 

 Eras

São ciclos de tempo. Um ciclo completo de 12 eras dura 25.800 anos. São 12 eras astrológicas de 2.150 anos cada. Assim como as nações as eras tem sua ascensão e queda. Cada ascensão e queda é dividida em quatro fases. No momento estamos vivendo a fase de Kali Yuga que é a fase final e de maior decadência do final de uma era.

Era de Áries
Regida pelo avatar Abraão. Esta era trouxe o conhecimento da lei cósmica com o raio azul e o poder do Pai.

Era de Aquário
Regida pelo avatar ou hierárca Saint Germain e Porcia, sua chama gêmea. Ela traz a chama do amor do Espírito Santo, a chama da liberdade e da justiça. No momento vivemos os estertores da morte da era de peixes e as dores do nascimento do parto da era de aquários. Esta será uma era de iluminação, amor e liberdade.


Era de Ouro
Ciclo de iluminação, paz e harmonia, no qual as almas da humanidade fundem-se na Chama Cristica, para a realização do plano divino "Assim no alto como em baixo", através da convergência do plano e invólucro etéreo com os três veículos inferiores do corpo da terra e suas evoluções, o reino celestial irá manifestar-se na terra, como é visto hoje na oitava etérica.

Era de Peixes
Regida pelo avatar e Mestre Jesus. Esta era trouxe o ensinamento da obediência do filho à lei do Pai com o raio amarelo da sabedoria divina. No momento vivemos os estertores da morte da era de peixes e as dores do nascimento do parto da era de aquários.

 

 mandala 2

 

As Eras Astrológicas

* Era de Leão (do 10 000 ao 8000 antes de Cristo)
* Era de Caranguejo (de 8000 ao 6000).
* Era de Gêmeos (6 000 ao 4 000 a C)
* Era de Touro (do 4000 a 2000 aC). Nomeação das constelações Touro, Leão, Escorpião e Aquário
* Era de Áries (2000 ao 0 ou de )
* Era de Peixes (0 ao 2000)
* Era de Aquário (2000 a 4000)


Uma Era Astrológica é definida pelo tempo que demora o ponto vernal (equinócio de primavera -HN) a percorrer uma constelação zodiacal e é batizada pelo mesmo nome da constelação por onde estiver passando o ponto vernal. Estamos no fim da Era de Peixes, porque o ponto vernal se encontra atualmente no fim da constelação de Peixes.

O ponto vernal é a intercepção da eclíptica com o equador celeste. Quando o Sol se encontra neste ponto acontece o equinócio de Primavera para o hemisfério norte ou de Outono para o hemisfério sul e o dia tem a mesma duração que a noite para todos os pontos do planeta Terra. Este ponto de intersecção projetado no Céu é que determina o início do signo de Áries, começo do Zodíaco tropical.

Chama-se de "Movimento de precessão dos equinócios" ao deslocamento retrógrado (oposto ao sentido crescente das constelações) do ponto vernal devido ao movimento de precessão do eixo da Terra.

O movimento de precessão do eixo da terra tem um período de 25 920 (25 794) anos. Por tanto, o zodíaco tropical (Ponto zero do signo de Áries), da uma volta completa no zodíaco sideral em 25 920 anos. O ponto vernal demora 2 160 anos exatos em percorrer uma constelação (se consideradas cada uma das 12 com um cumprimento de 30º) o que equivale a exatamente 72 anos por grau e a um ano por 50 segundos de arco, quer dizer que em um ano solar o ponto vernal se move menos de um minuto de arco.

Este movimento foi detectado por primeira vez por Hiparco de Nícea (190 – 120 a C) e foi conhecido como o Grande Ano de Platão, ou Grande ano zodiacal. Os meses do ano de Platão seriam as Eras astrológicas com uma duração de 2 160 anos. Atualmente este ponto está na constelação de Peixes a caminho da constelação de Aquário, por isso dizemos que estamos entrando na Era de Aquário.

Em 1929, a União Astronômica Internacional definiu as bordas das 88 constelações oficiais. A borda estabelecida entre Peixes e Aquário localiza, em princípio o início da Era de Aquário por volta de 2600 d.C. Cálculos mais apurados chegam a: 2638 d.C. (Elsa M. Glover), 2654 d.C. (Max Heindel) ou 2680 d.C. (Shepherd Simpson). - verificar estas informações - se alguém tiver estas fontes informe.

"Extraído do Wikipedia: A última vez que este ponto de partida no zodíaco intelectual coincidiu com a constelação zodiacal foi em 498 d.C. Um ano depois destes pontos de ambos os zodíacos estarem concêntricos, o Sol cruzou o equador a cerca de cinquenta segundos de espaço para a constelação Pisces. No ano seguinte estava a um minuto e quarenta segundos em Pisces, e desde então tem vido a retroceder até que na actualidade o Sol cruza o equador a cerca de nove graus na constelação Pisces. Será pois apenas daqui por cerca de 600 anos que cruzará o equador celestial na constelação Aquarius.


Em termos simples, significa que a atual Era de Pisces inciou-se cerca de 500 d.C., dado que foi a última vez que, astronomicamente, o equinócio vernal ocorreu no primeiro ponto da constelação Aries, deixando-a e entrando na constelação de Pisces (altura em que os zodíacos intelectual e natural concordaram). Hoje em dia, o equinócio vernal ocorre, astronomicamente, a cerca de nove graus da constelação Pisces e será apenas por volta de 2600 d.C. que realmente finalizará o movimento em retrocesso por Pisces e entrará na constelação de Aquarius."

O inicio das Eras astrológicas é calculado a partir da entrada do ponto vernal (equinócio) nas constelações como foram definidas pelos astrônomos, que partiram do modelo proposto por Ptolomeu que a sua vez respeitou as figuras que foram criadas por seu antecessores.

Compartilhando: tenho dificuldade de usar a área das constelações desiguais de Ptolomeu (Hiparco), acho que um conceito da força de constelação deveria ter mais simetria e homogeneidade e adotar o cumprimento igual de 30 graus para todas. O desafio então seria o critério para definir o ponto zero da constelação de Áries.

Gostaria de calcular o inicio da Era de Aquário seguindo este método: a partir do ponto zero da constelação de Áries, dividir a Eclíptica em 12 partes iguais. Correspondendo cada parte a uma constelação. Claro que este critério definiria novas constelações zodiacais. Mas, seriam constelações que responderiam ao mesmo critério de simetria que agracia aos signos. A passagem do ponto Vernal pelas fronteiras destas novas constelações definiria o inicio das Eras. Ainda não fiz este cálculo por falta de recursos e conhecimento. Mas estou muito curioso em saber em que data cairia o inicio da Era de Aquário segundo este método.

Não existe um critério único e aceito por todos, que permita estabelecer o inicio de uma Era. Seria fácil se as constelações tivessem um inicio e elongação definido, mais não o tem, assim como também não podemos assegurar que o movimento de precessão seja uniforme.

Mais que fatos astronômicos, fatos culturais e históricos podem indicar a passagem das Eras.

Em cada Era manifesta-se uma Inteligência e Sensibilidade sintonizada ao significado do Signo do Zodíaco que a rege e do Signo oposto complementar. No estudo de uma Era deve ser considerado o eixo dos signos envolvidos. Assim, por exemplo ao estudar a Era de Peixes, tem que se levar em conta, sem lugar a dúvida, a força do signo de Virgem presente no Poder e desenvolvimento da Razão, da Ciência e da Tecnologia e da maior produção de conhecimento do mundo físico e da Natureza nos últimos milênios.

Geryl e os três cataclismos da Terra"Baseando-se em cálculos, Geryl afirma que 25 920 anos é a duração de um ciclo completo zodiacal e de precessão. No entanto, defende que um ciclo de precessão de 25 920 anos nunca existe e que quando um ciclo alcança os 25 776 anos de precessão, a Terra altera o seu movimento de rotação e há uma mudança catastrófica de era.

Geryl fala em três cataclismos na história da Terra.Na altura do primeiro, o Zodíaco passou da era de Virgem a Leão e desta a Virgem de novo - houve uma inversão da direção do Zodíaco e da rotação da Terra. O Zodíaco seguiu o seu rumo (Virgem, Balança, Escorpião, Sagitário) e em Sagitário houve não uma inversão da rotação da Terra e das eras, mas “apenas” uma mudança repentina de era, um giro muito rápido no Zodíaco, passando para a era de Aquário (saltando a era de Capricórnio). Daqui, o Zodíaco seguiu o seu rumo (Aquário, Peixes, Carneiro, Touro, Gémeos, Caranguejo, Leão) e, na era de Leão, onde se deu o cataclismo que destruiu a Atlântida, inverteu-se de novo a direção das eras, em conjunto com a inversão da rotação da Terra. Esse é o movimento que ainda seguimos na atualidade (Leão, Caranguejo, Gémeos, Touro, Carneiro e Peixes)."

Era de Leão (do 10 000 ao 8000 antes de Cristo)

É o tempo de constituição das primeiras civilizações. Reis divinos. Primeiros instrumentos de pedra. Primeiras celebrações ritualísticas. Primeiras pinturas nas cavernas e esculturas. Nesta época o elemento dominante, sem lugar a dúvidas foi o fogo, que cultuado como divino ajudou ao homem a sobreviver.

É o tempo da suposta civilização da Atlântida que foi extinta pelo dilúvio.

Então, que acontecia nas proximidades da Era leão

Entre 10/12 mil anos atrás ?

-Tem uma tabuinha no museu de Berlim (VAT. 7847) que inicia a lista de constelações zodiacais com a de leão +/- 11.000 a.C.).

O mundo vivia transformações físicas no clima... foi a época do dilúvio...e depois um repovoamento na Terra, com os descendentes de Ziuzudra, o Noé sumério.

Até então, os patriarcas viviam muito, Matusalém passou dos 900 anos... mas isso aborreceu ao Senhor Enlil ("Senhor do Espaço"), que achava que a humanidade" fornicava como selvagens" e mandou a fome e as pestes, sendo a malária o primeiro mal rogado ao povo.

E, de repente, após o dilúvio, houve uma redução extraordinária no tempo de vida; a partir dos três filhos de Noé, Sem, Can e Jafé, que eram muito diferentes entre si...

Noé viveu 950 anos, mas seus descendentes foram dos 602 anos de Sem aos 175 anos de Abraão (e seu filho Isaac 70 anos)!

Era de Câncer (de 8000 ao 6000).

O homem primitivo deixa a vida nômade e com o descobrimento da agricultura, a caça e a pesca facilitada pelos instrumentos se assenta, cria lares e funda as primeiras aldeias (China, Índia, Egito, Mesopotâmia). O elemento predominante foi a "água" tanto no seu lado simbólico, as emoções e o afeto, a familia e as agrupações humanas, como no seu lado físico como elemento fundamental na arte da agricultura.

Em alguns lugares reina o Matriarcado. Nesse tempo a mulher era vista como divina, ao parir os humanos aparentemente por graça dos deuses, era difícil para a época relacionar o ato sexual com o nascimento de um filho nove meses depois. Abundam na época esculturas representando mulheres férteis e referencias a rituais de fertilidade para ajudar a terra a produzir, tudo isto em coerência com o signo de Câncer e seu regente a Lua.Criam-se as primeiras técnicas de tecelagem.


Era de Gêmeos (6 000 ao 4 000 a C)

Coerente com o signo de Gêmeos nesta era a humanidade assentada desenvolve sua inteligência, seus conhecimentos do mundo, aprimora seus meios de comunicação e estrutura as primeiras línguas. Elemento predominante o Ar.

O fato mais destacado é o surgimento da escrita: símbolos toscos e rabiscados em pedra ou argila, pictogramas chineses, caracteres cuneiformes da Mesopotâmia, hieroglifos egípcios.

Outros grandes fatos coerentes com o signo de Gêmeos e seu regente Mercúrio foram:

* a descoberta da roda, e com ela os meios de transporte e locomoção.
* A criação do leme, das velas e o aperfeiçoamento das embarcações.
* Os primeiros sinais de urbanismo, criação de caminhos, ruas.
* Desenvolvimento da agricultura: irrigação, enxertia, polinização artificial.
* Desenvolvimento da arquitetura e da engenharia.
* Primeiras escolas.
* Sofistificação da organização social e política.
* Desenvolvimento do comércio e da classe dos comerciantes.
* Valorização da vida cultural.
* Surge no Egito o célebre Hermes Trimegisto, pai das ciências, das artes e da magia. Hermes é Mercúrio. Surgem outros grandes do pensamento.

Curiosamente, observa-se nesse período a existência de várias lendas e mitos relacionados a irmãos gêmeos, entre eles, ressalta-se: Osíris (civilidade) e Seth (bestialidade) no Egito; Abel (civilidade) e Caim (bestialidade) na mitologia cristã.

 Era de Touro (do 4000 a 2000 aC)- Nomeação das constelações Touro, Leão, Escorpião e Aquário

A Era de Touro se iniciou quando o ponto equinocial (ponto zero do Signo de Áries) entrou na constelação de Touro em torno do ano 4000 antes do nascimento do Cristo.

O Avatar mais conhecido na época foi Khrisna nas terras da Índia continental.

Neste período a humanidade aprofunda sua intimidade com a Natureza, especialmente no desenvolvimento da agricultura, o conhecimento das plantas e seus poderes. Surgem os grandes requintes na alimentação e descoberta dos temperos. Existe avanço significativo também na tecnologia de construção e na elaboração de vestimenta. Constroem-se as Pirâmides de Quéops entre outras edificações monumentais e sofisticadas.

Foi nesta que surgiram as religiões conectadas à terra, e que o ser humano começou a se estabelecer, abandonando o nomadismo no que lhe tinham forçadamente precipitado os movimentos das águas e do gelo na época.

O touro como símbolo primordial da força e da fertilidade masculina nas estrelas é nomeado a constelação que anuncia a primavera. Quando no anoitecer ascendia no Leste a constelação de Escorpião e no meio do Céu brilhava a constelação de Leão queria dizer que o Sol tinha entrado na Constelação de Touro e que se iniciava a Primavera no hemisfério norte.

A Constelação de Touro é uma das mais antigas na elaboração do Zodíaco. Durante os 2 mil anos em que o equinócio de primavera (HN) era apontado pela entrada do Sol na constelação de Touro, na Índia, Grécia e Egito, o Gado era muito importante, ele era usado como alimento (principalmente leite), como animal de tração, mas também foi cultuado como símbolo de poder, força e fertilidade - Minotauro na Creta, Ápis no Egito, e a Vaca Sagrada na Índia. Fala-se que o Egito se apoiava nas águas do Nilo e na paciência do Boi (figurado no divino Ápis).

A constelação de Touro, talvez seja a primeira constelação criada pelos Babilônios em torno do ano 4.000 a.C., quando o ponto de equinócio da primavera apontava as Plêiades.

No zodíaco de Hiparcos, o Touro homenageia, junto a Constelação de Órion (um dos 43 Hércules do tempo pré-clássico), um dos doze trabalhos de Hércules."

Era de Áries (2000 ao 0 ou de ) - Avatar: Moises, Buda e Akenathon.

Na Era de Áries surgiu o judaismo, religião patriarcal de deus masculino e guerreiro, cujos fieis eram armados de espadas de bronze e ferro (Áries é um signo de polaridade masculina), em oposição ao matriarcado e a suas deusas, que predominaram antes da Era dos Metais.

O Deus do antigo testamento (vigente neste período) era um deus vingativo, masculino e extremamente ligado ao culto do fogo. Foi através de uma "sarça ardente (fogo)" que Deus se manifestou para Moisés e era glorificado com o sacrifício de carneiros (áries). O próprio Moisés, ao final da era de Touro, quebra um bezerro de ouro simbolizando o fim de uma era e início de outra.

Moisés tomou uma atitude ariana - desbravadora, ativa e decidida - ao conduzir os hebreus para a terra prometida.

O ferro, metal símbolo de Áries é difundido e usado sobre tudo na elaboração de armas. O mundo cria grandes exércitos, e realizam-se grandes batalhas. Desbravam-se novas terras. Surgem grandes estrategistas militares. Nasce o mito do herói, do guerreiro.

Inicia-se claramente o culto ao masculino. A sociedade é dominada pelos homens, intrépidos, atrevidos, competitivos, aguerridos. Surgem grandes figuras masculinas em todas as culturas: Buda e Rama na India, Zoroastro na Pérsia, Lao Tsé e Confúcio na China; Sócrates, Platão e Aristóteles entre outros na Grécia. Homens todos de grande cabeça que iniciam caminhos, filosofias, religiões.

O carneiro aparece em várias mitologias: o tosão de ouro dos gregos. E nasce o cordeiro de Deus, o Cristo, no final da era dando passagem à era de Peixe, símbolo posterior da era de Peixes.

Esta Era também foi coroada por muitas guerras no comando do ferro. O seu fim acompanha a decadência do Império Romano, na guarda do Deus Marte (regente de Áries) para dar passagem ao domínio do cristianismo, no comando celestial de Jesus, o "Cordeiro de Deus".

Os Arianos inventaram a propriedade privada, o matrimónio e o direito de herança patri-lineal para submetê-las e sujeitá-las. Nesta época também se desenvolveram a cultura e as artes (Libra, signo oposto a Áries), e surgiu o Budismo, uma religião tipicamente Libriana, por pregar o “caminho do meio”.

(continua)

Category : ASTROLOGIA, CIÊNCIAS DIVINATÓRIAS Print

| Contact author |