"> A PARÁBOLA DA - ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

 A PARÁBOLA DA LUZ...

15/12/2010

floresta

 

O MAPA DO CAMINHO...

 

Era uma vez um homem que andava perdido no caminho espiritual.

Estava passeando na floresta, solitário, triste e preocupado de como poderia ver a Luz, ai escutou uma voz dizendo:

 

Onde vai, meu bom homem?...

 

Um pouco assustado ao ouvir aquela voz, respondeu:

 

Estou a anos querendo ver a Luz, mas não a vejo e nem sei onde procurá-la.

 

Sorrindo, a voz disse: - Meu filho a luz não se procura, esta sempre diante de você, o que acontece é que tens em tua frente uma floresta de árvores, que estão entre tu e ela, e não o deixa vê-la.

 

Quer dizer que tenho árvores mentais que não me deixam ver a Luz?

 

Assim é, portanto, você tem de ir cortando todas as árvores que estão entre você e a Luz, pois isso o impede de ver a Luz.

 

Quer dizer que as árvores mentais que tenho, não me deixam ver a Luz?

 

Assim é, portanto, tens de cortar todas as árvores que estão entre você e a Luz, pois elas o impedem de vê-la.

 

E como posso fazer isso, perguntou o homem?

 

Olha, vou-te ensinar como fazer, sente-se na base desta árvore, e mantenha-se em silencio e vá observando as árvores que você tem, e vá cortando todas mentalmente, uma por uma delas.

 

Assim então, aquele homem colocou-se em mão a obra, e começou a ver sua primeira árvore.

 

Viu a árvore da impaciência e a cortou, em seguida viu a árvore da intolerância e incompreensão para com os outros, seguiu cortando a árvore da vaidade e do ego, cortou também a árvore do rancor e a de não perdoar os outros, continuou com a árvore do julgar e acreditar ser superior aos demais, e assim seguiu e seguiu...

 

Depois de um tempo a voz disse: Como esta indo?

 

O homem respondeu: - Estou indo bem, acabei de cortar uma grande fileira de árvores que não me deixavam ver a luz, mas ainda não posso vê-la, pois tem outra grande fileira de árvores, que árvores são essas?...

 

A voz respondeu: são as mesmas árvores de antes, mas agora são a nível espiritual, são árvores da vaidade espiritual da intolerância espiritual, e a árvore de acreditar ser o possuidor da verdade...e essas árvores são piores que as anteriores, tem de cortá-las muito bem.

 

Assim então, o homem seguiu cortando a próxima fileira de árvores.

Cortou a árvore do acreditar ser o escolhido, de acreditar ser Mestre, corto a árvore de querer salvar o mundo, cortou também a árvore de sua religião e continuou a cortar e cortar...

 

Depois de um tempo a voz disse: Como esta indo?...

 

Terminei de cortar outra grande fileira de árvores que não me deixavam ver a Luz, mas ainda não a vejo, pois tem outra grande fileira de árvores, que árvores são essas?

 

A voz respondeu: - Essas árvores são ainda mais importantes de cortar, estas árvores serviram em certo momento, mas agora tens de cortá-las todas, mas isso é você que decide se o faz ou não, pois não iras querer cortá-las todas, mas é você que decide o que fazer, assim que observe bem antes, essas árvores e decida você o que quer fazer.

 

Então o homem observou e cortou as ditas árvores, cortou a árvore de não acreditar nos Mestres Ascensionados, de não acreditar nos Anjos, a árvore de não acreditar em Seres de Luz, e em não acreditar em tudo que leu e eles o tenham ensinado, e seguiu cortando e cortando, embora lhe fosse difícil cortar tantas, pois estava ficando sem nada, sem nenhuma, mas seguiu em frente...

 

Passado um tempo a voz disse: - Como esta indo?

 

Esse homem lhe respondeu: - Vou bem, já é possível ver um pouco de Luz, mas estou vendo duas últimas árvores uma enorme e outra de um tamanho normal, que faço agora com elas?

 

A voz lhe disse: - Antes de cortá-las olhe bem o que representam essas duas árvores.

 

O homem se concentrou e ao ir cortar a árvore de tamanho normal, vacilou e rapidamente foi consultar a voz.

 

Exclamou: - A árvore é o meu Ser, como podes querer que eu a corte?

 

A voz lhe respondeu: - Se queres ver a Luz, tens de cortá-la, mas essa será uma decisão sua.

 

Então aquele homem já um pouco assustado a cortou, e ficou sem acreditar em seu SER.

 

Passado um tempo, a voz lhe disse: - Como esta indo?

 

Já cortei essa árvore, respondeu ele.

E a voz perguntou? E ainda segues vivo?...

 

O homem respondeu que sim.

 

E então continue lhe disse a voz.

E assim então começou o homem a cortar a enorme e ultima árvore, que não o deixava ver a Luz.

 

Mas quando foi cortá-la se deu conta o que representava a ultima árvore, e foi correndo até a voz perguntar mais uma vez.

Super assustado o homem disse a voz.

Céus...! Tu sabes que árvore é essa?

É O MEU DEUS.

 

Isso mesmo, lhe disse a voz, corta-a também se queres ver a Luz.

 

Ufa, disse o homem, isso sim vai ser difícil para mim, mas o farei.

 

Passou um pouco e a voz lhe disse: - Como esta indo?

 

Muito bem, já vejo a Luz, é maravilhosa e toda Amor, é inacreditável.

Agradeço muito, com todo o meu coração, por me ajudar a ver a Luz, lhe disse o homem, entusiasmado.

 

Não caminhes tão rápido, retrucou a voz, nós ainda não terminamos, essa Luz que você vê ai, ainda é uma ilusão, tens que cortar a ultima árvore para poder ver a verdadeira LUZ.

 

Como? Disse surpreendido aquele homem, eu não vejo nenhuma árvore mais.

 

Esse é o problema, nunca enxergas a ultima árvore, pois essa árvore é você mesmo, e enxergas a Luz através deu tua árvore, não de ti, corta-a que tu verás a Luz.

 

Aquele homem, não podia acreditar no que estava ouvindo, mas foi em frente e cortou sua própria árvore.

 

Depois de um tempo a voz disse: Como esta indo, já conseguiu ver a Luz?

 

E aquele homem com todo o Amor, Paz e Felicidade, disse para a voz:

 

Não vi a Luz.

 

SOU A LUZ!...

 

Autor desconhecido.

Tradução: Luiz MBlanco

http://escritores-canalizadores.blogspot.com/

Post. Alexiis

Achei sabia essas informações através de parábolas nitidamente decifráveis que profundamente nos orientam para o caminho do Amor e do Imensurável Tudo o Que É”. http://luizmblanco.blogspot.com/

 

Category : HISTÓRIA, FILOSOFIA, TRADIÇÃO, MITOLOGIA Print

| Contact author |