"> PARAMAHANSA - ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

 PARAMAHANSA YOGANANDA

31/5/2010

 

O MAIS ELEVADO SERVIÇO A HUMANIDADE

Indivíduos de sensibilidade espiritual sentem o sofrimento dos outros como se fossem seus. Em nosso mundo conturbado, onde há milhares de pessoas assoladas pela guerra, pela pobreza, pela doença, pela ansiedade e pela falta de objetivo na vida, os homens e mulheres compassivos naturalmente se preocupam muito com o bem-estar de seus irmãos e irmãs de todas as nações. Esses indivíduos freqüentemente se indagam:
 - “Que posso fazer para ajudar e aliviar os problemas do mundo?”

 

A resposta de Paramahansa Yogananda era inequívoca:

 

 “Só a consciência espiritual – a real percepção da presença de Deus em você mesmo e em todos os outros seres vivos – pode salvar o mundo. Não vejo qualquer possibilidade de paz sem isso. Comecem por você mesmo. Não há tempo a perder. É seu dever fazer a sua parte para trazer o reino de Deus à Terra.”

 

Perceba internamente a presença e o amor de Deus e irradie-os externamente.

Ao longo da história, os grandes santos e mestres ensinaram que esta é a única resposta prática para as perturbações da humanidade, pois há uma relação dinâmica entre a nossa consciência e as condições do mundo.

Quando as pessoas falam problemas “políticos”, “sociais” ou “internacionais”, freqüentemente não percebem que essas condições nada mais são que os pensamentos e ações acumuladas de milhões de indivíduos. E a única maneira de mudar as condições do mundo é mudar a nós mesmos.

Paramahansa Yogananda disse: - “Os súbitos cataclismos que ocorrem na natureza, provocando devastação e sofrimento em massa, não são “obras de Deus”. Tais catástrofes resultam dos pensamentos e das ações do homem. Sempre que o equilíbrio vibratório do mundo, entre o bem e o mal, for perturbado por um acúmulo de vibrações nocivas, resultantes de pensamentos e ações erradas do homem, vocês presenciarão calamidades (...)

As guerras não são ocasionadas por fatídica ação divina, mas pela propagação do egoísmo materialista (...) Quando há predominância do materialismo na consciência do homem, há uma emissão de raios sutis negativos; seu poder acumulado perturba o equilíbrio elétrico da natureza e é então que acontecem terremotos, enchentes e outras catástrofes.”

Paramahansaji enfatizava, porém, que as vibrações negativas do egoísmo, cobiça e ódio – que causam doença e infelicidade aos indivíduos, guerras e calamidades naturais às nações – podem ser neutralizadas se um número suficiente de homens e mulheres se voltar para Deus em meditação e prece.

Mudando a nós mesmos – cultivando uma vida espiritual e a comunhão com Deus – é que automaticamente irradiamos vibrações de paz e harmonia que contribuem muito para neutralizar os efeitos negativos da vida desarmoniosa.

Assim, agindo como um canal para o poder curativo de Deus, a oração pelos outros é um dos mais elevados serviços que podemos oferecer.

A caridade material, o trabalho para o bem-estar social e outras formas de assistência são valiosas e necessárias para aliviar temporariamente o sofrimento dos demais, mas a oração científica combate a raiz do sofrimento do mundo: os modelos de pensamentos errados da humanidade.

Mahavatar Babaji é o Guru Supremo na linhagem indiana de mestres que assumem responsabilidade pelo bem estar espiritual de todos os membros da Self-Realization Fellwship e da Yogoda Satsanga Society of India que praticarem a Kriya Yoga fielmente. Babaji prometeu: - "Permanecerei encarnado na Terra até o fim desse ciclo de mundo." (Ver capítulos 33 e 37 do livro Autobiografia de um Yogue por Paramahansa Yogananda).

Em 1920, Babaji disse a Paramahansa Yogananda:

"Foi você quem eu escolhi para difundir a mensagem da Kriya Yoga no Ocidente. (...) a técnica científica de realização divina terminará por difundir-se em todas as terras e ajudará a harmonizar as nações por meio da percepção pessoal e transcendente que o ser humano terá do Pai infinito."

Mahavatar significa "Grande Encarnação" ou "Encarnação Divina".
Premavatar significa "Encarnação do Amor", título conferido em 1953 a Paramahansa Yogananda por seu grande discípulo Rajarsi Janakananda
(James J. Lynn).

A história da linhagem de Kriya Yoga é um tópico interessante, porque a matéria "história", como a conhecemos no Ocidente, realmente não existe no Oriente. No Ocidente, a história é convencionalmente refletida como uma linha reta que vai de A a Z (ou de Alpha a Ômega): esse evento aconteceu e foi sucedido por este outro e assim por diante.

Por outro lado, na cultura asiática a história e representada como um ciclo. Toda a criação passa por uma série de eras, começando pela era do "ouro", satya yuga, onde existe a perfeita consciência de Deus e descendendo gradualmente para o ponto mais baixo do ciclo até a idade do "ferro", kali yuga, onde existe um completo esquecimento de Deus e novamente direcionando-nos novamente ao ponto inicial de realização de Deus, satya yuga. Após um período de inatividade, a criação está apta para novamente iniciar um outro ciclo evolutivo. Ad infinitum. Mas não estamos conscientes desse aspecto cíclico de nossa existência, que encontram-se espalhados por milhões de anos e milhares de encarnações.

Como diz o ditado:

"Aquele que não se lembra do passado está condenado a repeti-Lo".

Portanto, a vida espiritual também é assim. Ela trata de lembrarmo-nos de quem somos, porque viemos aqui, aonde estamos indo e termina o ciclo.

Porque é um ciclo nascido da ignorância. Somente através do conhecimento podemos terminar o jogo e lembrarmo-nos de nossa verdadeira natureza. - a qual não é a natureza humana.

Nas palavras de Teilhard de Chardin: - "Não somos seres humanos tendo experiências divinas. Somos seres divinos tendo experiências humanas."

Então, o que são essas experiências humanas? Um exame da história da Kriya Yoga irá nos dar algumas chaves.

Essa história tem duas partes - uma ancestral, eterna, sobre a qual está sendo atuada uma recente, contemporânea.

A história ancestral da Kriya Yoga é a mais misteriosa e mais fascinante das histórias.

Misteriosa porque combina mitologia, história, e ciência de uma maneira única.

Sua origem remonta aos primórdios da consciência. Como está explicado na Bíblia e nos Upanishads , no começo somente Deus existia, e ele quis tornar-se muitos (ver Taittiriya Upanishad 2:6).

Deus projetou o universo externo de uma pequena fração de Si próprio, contendo também Seu maya - a toda penetrante força ilusória que é parte e parcela da criação.

Deus, também, deu uma técnica suprema de libertação, para que esse maya pudesse ser superado e a criação pudesse reunir-se a Ele novamente. Essa técnica é descrita no Bhagavad Gita 9:2 como "rajavidya rajaguhyam" i.e. a ciência real e a técnica secreta real.

Qual foi a linha de transmissão da técnica? Novamente retornamos ao Bhagavad Gita 4:1, onde ciz que Deus primeiro revelou-a para Vivashvat (seu nome significa "Iluminado (que irradia luz)" e a mitologia hindu descreve-o como o Deus-Sol). Vivashvat passou-a para seu filho Manu Vaivashvata, o sétimo dos quatorze Manus ou progenitores da raça humana - o Noé da mitologia hindu.

Incidentalmente, a palavra sânscrita Manu originou a palavra "man" (homem) em inglês. Manu, depois transmitiu-a a seu filho Ikshvaku, fundador da primeira dinastia de reis da Índia ancestral. Portanto, essas técnicas foram transmitidas de pai para filho, o que metaforicamente significa de guru a discípulo, através de transmissão oral direta.

O Bhagavad Gita 4:2 explica amplamente como essa técnica foi, então transmitida através de uma longa linhagem de rajarshis (royal seers [visionários reais]). Mas devido a influência dos diferentes ciclos da humanidade, as quais perpetraram uma gradual degeneração nos valores espirituais e um aumento pela fascinação por coisas materiais, essa técnica foi perdida e redescoberta várias vêzes através dos tempos. E sempre foi prometido por Deus que todas as vezes que as forças adharmic, que são as forças não espirituais, chegassem ao ponto de suplantar completamente qualquer traço de espiritualidade restante, Ele iria reencarnar, Ele viria como um Avatar.

Um Avatar literalmente significa "a descida". O que está descendo? O espírito de Deus está descendo para a carne. Avatares surgiram em todas as religiões, em todos os países. Jesus foi um Avatar, assim como Buda, Rama, Krishna e outros.

Eles sempre apareceram em diferentes épocas em momentos críticos da história da humanidade. Eles deram profundos ensinamentos que ficaram gravados ou suas vidas, elas mesmas, foram uma forma de ensinamentos - o modelo. E um novo ângulo da religião é demonstrado e a espiritualidade se estabelece. O Budismo emergiu e foi degradado novamente. Então, Adi Shankara apareceu - um novo Avatar que restabeleceu o hinduísmo original.

Então, novamente houve uma degradação e Ramakrishna Paramahamsa surgiu. É dessa forma que os indianos realmente vêem a sua história. É a brincadeira de Deus - lila. Essa é a razão por que Bhagavan Krishna, o grande Avatar de Deus, encarnou numa certa época para resgatar o dharma (aquilo que é o correto a fazer) perdido do mundo e reintroduzindo a antiga yoga (Bhagavad Gita 4:3) - isto é Kriya Yoga.

O Senhor Krishna ensinou isso a Arjuna e a muitos outros. E depois de um tempo a secreta técnica real foi novamente perdida. Através da história da criação os ensinamentos divinos da Kriya Yoga foram introduzidos e perdidos incontáveis vezes. Na história contemporânea, a Kriya Yoga foi revelada novamente através de esta linhagem dos Mestres.

A iniciação em Kriya Yoga é um processo que envolve purificação, re-despertar das qualidades ocultas da alma e instrução espiritual. Por isso dizemos que é um processo sagrado. Só pode ser realizado por um yogacharya autorizado, servindo de transmissor de energia espiritual em nome da linhagem autêntica de mestres de Kriya Yoga.

Esta rara dádiva de graça espiritual está aberta a todos os que buscam com sinceridade, independente de religião, credo, sexo, status social ou raça.

A única requisição para receber a iniciação é a vontade real de transformar a própria vida através da prática espiritual regular (sadhana), auto-estudo (svadhyaya), e serviço aos outros (seva), de forma a se tornar um indivíduo equilibrado, alegre e livre.

SOBRE YOGANANDA

“O ideal de amor a Deus e serviço à humanidade encontraram seu completo sentido na vida de Paramahansa Yogananda... Mesmo tendo passado a maior parte de sua vida fora da Índia, ele ainda tem seu lugar garantido entre nossos grandes santos. Seu trabalho continua a crescer e a brilhar, atraindo pessoas de todos os lugares no caminho da peregrinação do Espírito.”

Extraído de um tributo feito pelo Governador da Índia quando da publicação do selo comemorativo em homenagem a Paramahansa Yogananda pelo vigésimo quinto aniversário de sua morte. Nascido na Índia, no dia 05 de Janeiro de 1893, Paramahansa Yogananda dedicou sua vida para ajudar pessoas de todas as raças e credos a perceberem e expressarem plenamente em suas vidas a beleza, a nobreza e a verdadeira divindade do espírito humano. Após sua formatura na Universidade de Calcutá em 1915, Sri Yogananda fez os votos formais como monge da venerável Ordem Monástica dos Swamis da Índia.

Dois anos mais tarde, ele deu início ao trabalho de sua vida com a fundação da escola “como-viver” – desde então já existem vinte e uma instituições educacionais por toda a Índia – onde eram oferecidos assuntos acadêmicos tradicionais juntamente com treinamento em Ioga e instruções espirituais.

Em 1920, ele foi convidado a servir como representante da Índia em um Congresso Internacional de Religiões Liberais em Boston.

Seu discurso no Congresso e suas palestras subseqüentes na Costa Leste, foram recebidas com entusiasmo, e, em 1924, ele embarcou numa missão de palestras transcontinentais.

Ao longo das próximas três décadas, Paramahansa Yogananda contribuiu profundamente para um despertar maior e reconhecimento no Ocidente da sabedoria espiritual do Oriente.

Em Los Angeles, ele criou a Sede Central da Self-Realization Fellowship – a sociedade religiosa não-sectária fundada em 1920.

Através de seus trabalhos escritos, de longas viagens em palestras e da criação de numerosos templos e centros de meditação da Self-Realization Fellowship, ele iniciou milhares de buscadores da verdade na antiga ciência e filosofia da Ioga e em seus métodos universais de meditação.

Hoje, o trabalho espiritual e humanitário iniciado por Paramahansa Yogananda continua sob a direção de Sri Daya Mata, uma de suas primeiras e mais próximas discípulas e presidente da Self-Realization Fellowship/Yogoda Satsanga Society of India desde 1955.

Além da publicação de suas palestras, trabalhos escritos e discursos informais (incluindo a série de lições para estudo em casa), a sociedade também conta com templos, retiros e centros ao redor do mundo; monastérios da Ordem da Self-Realization Fellowship; e o Círculo Mundial de Orações.

Em um artigo sobre a vida e os trabalhos de Paramahansa Yogananda, o Dr. Quincy Howe Jr., Professor de Linguagens Antigas no Scripps College, escreveu:

“Paramahansa Yogananda trouxe para o Ocidente não apenas a promessa permanente da realização de Deus da Índia, mas também um método prático através do qual os aspirantes espirituais de todos os caminhos poderão progredir rapidamente em direção a este objetivo.

Originalmente compreendido no Ocidente apenas nos níveis mais elevados e difíceis, o legado espiritual da Índia atualmente é acessível como prática e experiência para todos aqueles que buscam conhecer a Deus, não após a morte, mas aqui e agora...

Yogananda colocou ao alcance de todos os métodos mais elevados de contemplação.”

 A vida e os ensinamentos de Paramahansa Yogananda estão descritos no livro Autobiografia de um Iogue.


"O ÚLTIMO SORRISO"

Fotografia tirada uma hora antes do mahasamadhi [saída do corpo, final e consciente, de um iogue], no banquete oferecido em homenagem ao embaixador da Índia Binay R. Sen, em 7 de março de 1952, em Los Angeles, Califórnia. Aqui o fotógrafo captou um amoroso sorriso que parece ser uma bênção de despedida para cada um dos milhões de amigos, estudantes e discípulos do Mestre.

Os olhos, que já se demoravam na Eternidade, apesar disso ainda estão cheios de calor humano e compreensão. A morte não teve poder de desintegração sobre este incomparável devoto de Deus: seu corpo manifestou um extraordinário estado de imutabilidade. [livro Autobiografia de um Iogue]

 



 UMA SIMPLES ORAÇÃO

“Pai Celestial, transfere a minha consciência do corpo físico

até a espinha e, da espinha, através dos sete centros,

até a Consciência Cósmica, onde Tua glória e

Tua lua reinam em toda a plenitude de Tua manifestação e

 onde a força vital teína com todo o Teu poder.

Que Tua glória resida em mim para sempre.

Oh! Eterna Esfera da Alegria,

 gira em minha consciência e faça-me como Tu és.

Pai, Tu e eu somos um.

Eu sou a esfera da vibração.
Sou a esfera cósmica do som.
Sou a esfera cósmica de luz onde os sistemas planetários e os universos flutuam.

 

Meu corpo, a terra e o sol emitem clarões semelhantes aos que estão em mim.
Eu sou a Luz Eterna.
Sou o OM que está vibrando no pequeno corpo e em todo o universo.
Pai Celestial, não me mantenha prisioneiro das encarnações;

ensina-me a encontrar a liberdade em Ti,

para que eu saiba que nada na terra me pertence,

mas que tudo Te pertence.
Ensina-me a saber que meu lugar é a Onipresença.
Oh Pai da Imensidade, que está no trono azul adornando

 o trono da Onipresença, eu Te reverencio em todas as partes. "

(Paramahansa Yogananda)

Category : RELIGIÕES, RITUAIS, ORAÇÕES, MEDITAÇÕES, REFLEXÕES Print

| Contact author |