"> ISLANDIA - VULCÃO KATLA e o Calendário M - ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

 ISLANDIA - VULCÃO KATLA e o Calendário Maia

11/5/2010

 

Presidente da Islândia alerta as autoridades para o vulcão Katla, que tem um potencial devastador "muito maior" do que Eyjafjallajökull. 

E que pode causar caos a nível planetário assim que entrar em erupção.


Presidente Olafur Grímsson da Islandia teme consequências catastróficas. "Katla é muito maior (3 vezes mais que  Eyjafjallajökull)  e geralmente estoura uma vez em um século”. "Em nosso país, já estabelecemos planos de emergência, portanto, penso que é tempo dos governos europeus e as autoridades da aviação fazerem os seus planos contra um desastre”.

 

A última erupção de Katla ocorreu em 1918. Katla situa-se a leste do vulcão Eyjafjallajökull, cuja erupção provocou uma nuvem de cinzas que desestabilizou o tráfego aéreo por vários dias. Acrescentando que antes da erupção do Eyjafjallajökull geralmente ocorre movimentos subseqüentes no vulcão Katla, Grímsson disse:

 

Uma erupção do Katla seria 10 vezes mais forte e lançaria nuvens de cinzas maiores e mais altas. Os dois vulcões, distantes apenas 20 quilômetros um do outro, estariam interligados por uma rede de magma.

 

O vulcão Katla é subglacial e tem uma reputação como um dos vulcões mais perigosos da Islândia, senão do planeta. Seu pico atinge 1.493 m de altura e extensão da geleira Mýrdalsjökull.

 

A probabilidade do vulcão Katla entrar em atividade é de 75% no prazo de 6 meses a 1 ano.  Essa erupção levaria ao degelo quase instantâneo do glaciar por cima do Katla que provocaria a formação de uma onda gigante de 30 metros de altura.

 

Katla tem dado sinais de descontentamento desde 1999 e os geólogos temem que ele esteja pronto para despertar. Nos últimos 1000 anos, as três erupções conhecidas como a do Eyjafjallajökull provocaram erupções subsequentes no Katla.

 

Antigamente, as pessoas acreditavam que o inferno era localizado sob os vulcões. A erupção mais recente da cratera Víti, (Viti quer dizer inferno) perto de Krafla, ocorreu em 1976. Quando Viti entrou em erupção muitas fissuras se abriram e muitos rios de lava podiam ser vistos até no sul da Islândia.

 

Estamos no fim do mundo? Não existe “fim do mundo”, mas o fim de uma Era!

 

Vamos recapitular o que aprendemos até agora... eu gosto de recapitular...

 

Os antigos que dominavam os pensamentos de suas épocas como os egípcios, maias, hopis e nativos americanos e de outras culturas, sabiam da ocorrência regular de cataclismos gerando grandes mudanças no nosso universo.

 

E um deles é associado a um fenômeno relacionado à precessão do equinócio, um ciclo natural de 25.920 anos de tempo que causa oscilação lenta do planeta Terra. O que é perfeitamente explicado por nossos cientistas contemporâneos.

 

A “profecia” que mais chama atenção hoje em dia refere se a antiga cultura Maia e é a que tanto nós ouvimos falar.  Nossos arqueólogos ainda estão desvendando os mistérios dessa civilização de mais 2 mil anos a.C que teve grande parte de seu conhecimento destruído durante a conquista e colonização pelos espanhóis.

 

Vamos falar sobre essa profecia que está em voga na mídia e que trata precisamente do período correspondente há os últimos 20 anos entre 1992 e 2012 (último Katun) do nosso calendário gregoriano.

 

O calendário Maia é muito preciso e baseado no movimento dos corpos celestes, como é observado pelos estudiosos da Astronomia. E é bem diferente do nosso calendário. Tem por base períodos de 100 anos, endossados no comportamento do planeta Vênus que atinge o ponto mais próximo do Sol por duas vezes, separadas por um espaço de 11 anos.

 

Em 2012 Vênus vai atingir um desses pontos e o próximo trânsito será em torno de junho de 2012.

 

As notícias que nos chegam no mundo da Web, filmes e alguns livros recém lançados, é que estamos vivendo o “fim dos dias”. Mas será que são apenas boatos aparentemente infundáveis de povos ignorantes? Uma ficção?

 

Um fato é certo: os cientistas estão desconsertados com o comportamento do nosso Sol. 

 

No dia 20 de janeiro de 2005, uma surpreendente tempestade solar alcançou a Terra com sua máxima radiação 15 minutos após as explosões. Os cientistas do mundo todo ficaram chocados porque normalmente um fenômeno desses levaria 2 horas para impactar a Terra

 

Segundo Richard Mewaldt, do Institute of Technology da Califórnia, foi a mais violenta e mais misteriosa dos últimos 50 anos que se tem notícias. 

 

Os astrônomos ficaram perplexos. O professor Lin – principal pesquisador do satélite Reuven Ramaty High Energy Solar Spectroscopic Imager (RHESSI) – expressou sua conclusão com uma frase muito simples: "Isso significa que realmente não sabemos como o Sol funciona".

 

Será que os Maias sabiam de algo que nossa ciência atual ignora ou ela não nos conta a verdade? Será realmente que nossos cientistas não sabem como o Sol funciona?

 

Para entender um pouco de “profecia” seja ela dos Maias ou de outros povos, é necessário observar como eles entendiam o tempo e o espaço e os ciclos naturais do universo.

 

O conhecimento destes ciclos seria fundamental para que os astrônomos dos povos antigos soubessem exatamente onde eles estavam (parte do movimento), dentro de um determinado ciclo, pois a sua sobrevivência dependia disso!

 

Mas nós os “espertos” da era tecnológica só nos preocupamos com ciclos do sol para agendarmos um churrasco em dia que faça um belo dia! Santa ignorância...

 

Os Maias sabiam que o tempo se comporta de maneira cíclica e não linear (nós vivemos linearmente), o que já denota uma ignorância total por parte da mídia em relação aos textos Maias alardeando “Fim dos tempos” como “Fim do mundo”.

 

Os textos dão explicação de começo de um ciclo e fim de um ciclo – nunca um fim de um mundo, o que é bem diferente.

 

Os Maias há 2 mil anos atrás, sabiam que a Terra girava ao redor do sol (coisa que só ficamos sabendo em 1543 através de Copérnico) e que também todo o sistema solar se movia em um movimento periódico em torno da galáxia e que esse movimento do nosso sistema solar em torno da galáxia tratava-se de uma elipse, e que seu ciclo completo teria duração de 25.625 anos divididos em 5 estações de 5. 125 anos nossos.

 

Pelo fato do movimento ser em elipse, isso faz com que o nosso sistema solar de tempos em tempos se aproxime ou se afaste do centro da galáxia, que possui uma grande fonte de luz e energia. Nosso sol está localizado cerca de 27 mil anos-luz desse centro da Galáxia.

 

E a cada passagem de estado – de 5.125 anos em 5.125 anos - o Sol recebe uma intensa energia oriunda do centro galáctico. Uma espécie de Sol central da Galáxia.

 

O movimento de rotação da Terra ao redor do sol é divido em 4 estações (aprendemos isso no primário) – que são: primavera, verão, outono, inverno.

 

Se imaginarmos que cada estação do ano tem influência na vida terrestre e que recebemos uma intensidade correspondente de energia do sol a cada estação, não é difícil imaginar que essa energia galáctica também afeta de maneira grandiosa a nossa vidinha por aqui, e os Maias sabiam disso!

 

Um movimento de rotação do sistema solar em relação ao centro da galáxia compreende os seguintes estados:

1.    Manhã da Galáxia, - 5.125 anos

2.    Meio dia da Galáxia, - 5.125 anos

3.    Tarde da Galáxia, - 5.125 anos

4.    Entardecer da Galáxia/Noite da galáxia e – 5.125 anos

5.    Profunda noite da Galáxia. – 5.125 anos

 

Onde entra a profecia nisso?

Eles dataram gentilmente (os Maias foram muitos gentis em se incomodar com isso, não? Não precisava...) para nós o início do ciclo Galáctico em 10 de agosto de 3113 a.C. para fecharmos a conta e entendermos onde estamos nesse ciclo HOJE!

 

Já sabemos que um Ciclo Galáctico é de 25.625 anos e está dividido em 5 ciclos de 5.125 anos, mas vamos entender como ele influencia em nossas vidas.

 

O 1o. Ciclo de 5.125 anos - é o ciclo da MANHÃ/DIA GALACTICO, quando o sistema solar acaba de sair da escuridão para entrar na luz. É um período de gestação, de conformação. Sair da luz significa nos afastar da influencia direta de exposição do centro da galáxia, do sol central. O movimento é elíptico, lembra?

 

O 2o. Ciclo de 5.125 anos - é o ciclo do MEDIO DIA DA GALÁXIA; quando o percurso chega nessa metade, estamos perto do centro da galáxia onde o Sol central é muito forte, a luz é muito intensa, determinando a sua maior expressão refletida no nosso sistema solar. É uma etapa de desenvolvimento que culmina com sua maior expressão.

 

O 3o. Ciclo de 5.125 anos - é o ciclo da TARDE DA GALÁXIA; começamos a nos distanciar da luz novamente.

 

O 4o. Ciclo de 5.125 anos - é o ciclo do ENTARDECER / NOITE DA GALÁXIA; o entardecer se converte em noite, onde se realiza uma tomada de consciência de todo o fato.

 

O 5o. Ciclo de 5.125 anos - é o ciclo da PROFUNDA NOITE DA GALÁXIA, que volta a dar inicio a outros 5 ciclos de 5.125 anos, e assim eternamente...

 

Se você não conhece a essência da profecia Maia e só “ouviu falar”, aqui vai um pouco do que pesquisei. Está reduzido, muito simplificado, para objetivar apenas o entendimento da tão falada data de 2012.

 

Os Maias nos contam que a sua civilização era a 5º iluminada pelo Sol, o quinto grande ciclo solar e se você prestou atenção ao que descrevi acima, o ciclo de escuridão vai terminar dando início novamente ao Dia Galáctico, ou seja, vamos entrar na luz novamente!

 

Descrevem também que outras 4 civilizações anteriores foram destruídas por grandes desastres naturais na passagem de cada ciclo. Eles entendiam que cada civilização sobre a face desse planeta é só um degrau na ascensão da consciência coletiva da humanidade.

 

Os Maias “previram” que a única maneira de tentar salvar a próxima civilização ignorante desses fatos e amenizar seus problemas futuros, seria deixando informações, pistas e tudo mais que pudessem avisá-los a se prevenir para o que está por vir!

 

Segundo relato dos textos Maia, no último cataclismo, a civilização foi destruída por uma grande inundação (Arca de Noé te remete a alguma coisa?) que deixou uns poucos sobreviventes dos quais eles (os Maias) foram seus descendentes.

 

 

2.160 anos é o tempo que o nosso Sol leva para nascer, transitar, se direcionar a uma constelação diferente. E a cada 2.160 anos nasce uma nova ERA PRECESSIONAL. 

 

Como exemplo as Eras (aproximadas) de conhecimento do homem deixadas pelos Maias são.

 

Era de Leão 11.015 até 8.855 aC

Era de Câncer 8.855 até 6.695 aC.

Era de Gêmeos 6.695 até 4.535 aC.

Era de Touro 4.535 até 2.375 a.C

Era de Áries 2.375 até 500 dC.

Era de Peixes 500 a 2.600 dC.

 

Há uma discordância entre especialistas no assunto quanto à entrada da Era de Aquários. Em 1929, a União Astronômica Internacional definiu as bordas das 88 constelações oficiais. A linha divisória estabelecida entre Peixes e Aquário localiza o início da Era de Aquário aproximadamente por volta do ano 2600 d.C., portanto, segundo peritos no assunto, ainda estamos na Era de Peixes e por isso a religião católica esperar a vinda de Jesus que é ligado ao símbolo de peixes.

 

Concluindo, 25.920 anos é um período em que a Terra leva para passar pela influência das 12 constelações do zodíaco  para regressar proximamente a seu ponto de partida – o ponto zero.  

 

(continua)

Category : CIÊNCIA, TECNOLOGIA, ESPIRITUALIDADE Print

| Contact author |