"> Bienvenue au site ASTROLOGIA CÁRMICA | Bloguez.com - Bloguez.com
 

AÇÃO E REAÇÃO - A LEI DA ESCOLHA

Added 3/10/2012

                                    "A Lei da Escolha"

 

libre

 

 

“O primeiro passo para conseguir algo é desejá-lo" (Madre Teresa) “Escolher é viver. A todo instante nos deparamos com essa extraordinária Lei. Escolher é decidir e essa decisão poder ser consciente ou inconsciente. '

Mas como assim, se eu decidi, então fui eu quem decidiu. Por que devo me preocupar com isso e complicar as coisas?' A pergunta é provocante mesmo. Essa é a parte crucial e intrigante da Lei da Escolha. Fazemos, sim, escolhas mecânicas e involuntárias, isso é comum na maior parte do tempo e não há problema. Se fizéssemos todas as nossas escolhas conscientes, logicamente ficaríamos neuróticos rapidamente.

Nosso cérebro direito (racional) comanda nossos pensamentos racionais com facilidade, afinal aprimoramos muito o lado direito durante todos esses séculos e exatamente por isso deixamos o nosso lado esquerdo (emocional e intuitivo) esquecido em sua plenitude. A parte racional decide atividades que exercemos desde o momento em que acordamos, fazemos realmente milhares de escolhas, temos de tomar muitas decisões durante um dia e nem percebemos.

Com relação às escolhas mecanizadas e comandadas pela razão, não devemos nos incomodar, porém dentro desse mesmo mar de atividades cotidianas, também nos deparamos com muitas escolhas que ativam nossas emoções que, se não estiverem harmonizadas o suficiente com nossa intuição, certamente nos levarão a falhas na maioria das vezes. É necessário saber que para cada escolha que fizer terá de assumir perante o Universo as responsabilidades que virão a partir daí.

Ser consciente de suas escolhas é importante para que se tenha êxito em sua caminhada. Eis o ponto em questão. Sabemos que a Lei da Atração recompensa toda emoção com a mesma emoção. Isaac Newton, em sua Teoria da Ação e Reação, nos comprovou com clareza que essa lei funciona perfeitamente para a matéria com a seguinte afirmação:

'Para cada ação, há sempre uma reação oposta de igual intensidade.'

Essa lei sobressai à matéria e ultrapassa também as fronteiras do pensamento. Nossas escolhas (conscientes ou inconscientes) carregam um peso, o qual devemos assumir, pois elas são de nossa inteira responsabilidade."

 

Texto extraído do livro: "2012 A Era de Ouro, Olhos Eternos", autores: C. Torres e S. Zanquim/canalização Tania Resende; Ed. Madras.

Category : RELIGIÕES, RITUAIS, ORAÇÕES, MEDITAÇÕES, REFLEXÕES

A SANTA CEIA, OS APÓSTOLOS E A ASTROLOGIA

Added 7/9/2012

santaceia

A cada ciclo, grupo de seres vêm ao planeta cumprir sua tarefa. Pela lei da afinidade, vêm desenvolver e trabalhar sua essência sob determinada configuração e características, que conhecemos como signo e conjunturas astrológicas. Eleição dos Doze "E aconteceu que naqueles dias subiu ao monte a orar e passou a noite em oração a Deus. E quando já era dia, chamou a si os seus discípulos e escolheu doze deles a quem também deu o nome de apóstolos: Simão, ao qual também chamou Pedro, e André seu irmão; Tiago (menor) e João, Filipe e Bartolomeu; e Mateus e Tomé, Tiago (maior) filho de Alfeu e Simão chamado o Zelador e Judas (Tadeu) filho de Tiago e Judas Iscariotes, que foi o traidor". LC:6 12-16

Com o desaparecimento de Judas, se apresentaram dois: José o Justo e Matias, "e lançando-lhes sortes, caiu a sorte sobre Matias. E por voto comum foi contado com os onze apóstolos." At:2-26 Houve uma época em que a química e a alquimia eram uma só ciência, assim como a astrologia e astronomia, até que, por volta do século 13, o Papa Inocêncio III decretou uma bula, separando a ciência entre sagrada e profana. Daí, astrólogos e alquimistas passaram a ser perseguidos.

Leonardo da Vinci, que era um iniciado, decidiu imortalizar através da pintura toda a simbologia astrológica e numerológica contida nos ensinamentos do cristianismo esotérico, deixando este registro no quadro A Última Ceia, onde cada um dos 12 apóstolos corresponde a cada um dos doze signos astrológicos. Leonardo da Vinci esquematizou a disposição dos apóstolos de acordo com a posição astronômica, da direita para a esquerda de quem vê o quadro.

Portanto, quem está na cabeceira da mesa é Simão, que corresponde ao signo de Áries. Signo de fogo e de ação, Simão indica com as mãos a direção a tomar. Áries rege a cabeça na anatomia astrológica, e a testa de Simão é bem realçada na pintura. Sua prontidão ariana também é mostrada pelas mãos desembaraçadas, para agirem conforme a vontade e coragem cardeal de Áries.

Ao seu lado, está Judas Tadeu, o Taurino. Seu semblante é sereno enquanto escuta Simão (Áries/cérebro) vai digerindo lentamente suas impressões, acolhendo-as com uma das mãos, revelando a possessividade de Touro (que é terra/receptivo). No corpo humano, Touro rege o pescoço e a garganta, e o de Judas Tadeu está bem destacado.

Mateus vem em seguida, correspondendo à Gêmeos, signo duplo que necessita de interação com as pessoas e de colher informações. Mateus tem as mãos dispostas para um lado e o rosto para o outro, revelando a dinâmica geminiana de querer falar e ouvir à todos ao mesmo tempo. Mateus era repórter e historiador da vida de Jesus, e Gêmeos rege a casa III, setor de comunicação e conhecimento.

Logo após está Filipe, o Canceriano. Suas mãos em direção ao peito mostram a tendência canceriana para acolher, proteger e cuidar das coisas. Regido pela Lua, Câncer trabalha com o sentir; Filipe está inclinado, como se estivesse se oferecendo para alguma tarefa.

Ao seu lado está Tiago Menor, o Leonino, de braços abertos, revelando nesse gesto largo o poder de irradiar amor (Leão rege o coração e o chacra cardíaco), ele se impõe nesse gesto confiante, centralizando atenções.

Atrás dele, quase que escondido, está Tomé, o Virginiano, que, apesar de modesto, não deixa de expressar o lado crítico e inquisitivo de Virgem – com o dedo em riste ele contesta diante de Cristo; foi Tomé quem quis o ver para crer.

Libra é simbolizado por João, o discípulo amado de Jesus. Com as mãos entrelaçadas, ele pondera e considera todas as opiniões antes de tomar posições - Libra rege a casa VII, é o setor do outro e isso requer imparcialidade e diplomacia.

Ao seu lado, está Judas Iscariotes, representando Escorpião. Com uma das mãos ele segura um saco de dinheiro, pois era o organizador das finanças da comunidade dos apóstolos (Escorpião rege a casa VIII, que trata dos bens e valores dos outros) e com a outra mão ele bate na mesa, protestando.

Sagitário é representado por Pedro, o Pescador de Almas. Foi ele quem fez o dogma e instituiu a lei da Igreja – Sagitário rege a casa IX, setor das leis, religiões e filosofia. Seu dedo aponta para Jesus – a meta de Sagitário é espiritual – e na outra mão ele segura uma faca, representando o lado instintivo nos homens. Ele se eleva entre outros dois apóstolos, trazendo esclarecimentos (luz) à discussão.

Ao seu lado está André, que representa Capricórnio. Conhecedor das responsabilidades, com seu gesto restritivo impõe limites. Seu rosto magro e ossos salientes revelam o biotipo capricorniano. Seus cabelos e barbas brancas e seu semblante sério mostram a relação de Capricórnio com o tempo e a sabedoria. Os temores de André são apaziguados por;

Tiago Maior, Aquariano, que debruça uma de suas mãos sobre seus ombros, num gesto amigável, enquanto a outra se estende aos demais. Ele visualiza o conjunto, percebendo ali o trabalho em grupo liderado pelo Mestre. Aquário rege a casa XI, que é o setor dos grupos, amigos e esperanças.

O último da mesa é Bartolomeu, que representa Peixes. Seus pés estão em destaque (que são regidos por Peixes na anatomia astrológica). Ele parece absorvido pelo que acontece à mesa, e, com as mãos apoiadas, quase debruçado, revela devoção envolvido pelo clima desse último encontro entre os apóstolos e Jesus Cristo, já que numa determinada hora as coisas ficaram um pouco confusas, pois Jesus revelou que "a mão do que me trai está comigo à mesa".

A traição veio de Judas Iscariotes Político, administrador e homem de negócios, Judas viu em Cristo a esperança de mudança no plano material, porém, quando Cristo deixou claro que libertaria apenas o espírito e não a matéria, provocou em Judas um grande equívoco. Após ser delatado, Jesus foi levado a um conselho do qual fazia parte José de Arimatéia. Senador, rico e membro ilustre desse conselho, não concordou com a condenação de Jesus – secretamente era ele também um cristão.

Quando Jesus foi crucificado, depois que os soldados romanos se foram, José de Arimatéia levou até a cruz a taça (o Graal) usada na última ceia e recolheu também a lança que o soldado Longinus havia usado para ferir Cristo. Depois, levou o Graal para Patmos e lá seu filho Josephus deu a taça a um santo inglês, que a escondeu em Gales, primeiro numa caverna e depois no castelo do Graal. A busca do Santo Graal passou, então, a ser a meta dos que queriam a vida eterna. Sua prática construtiva envolve os Cavaleiros da Távola Redonda da Corte do Rei Artur.

Quanto à lança, conta-se que percorreu longo caminho, pois lhe foi atribuída poderes de cura, já que o próprio Longinus foi inexplicavelmente curado. Ele tinha uma infecção no olho e ao ferir Jesus um pouco de sangue caiu na vista doente, fazendo desaparecer imediatamente a infecção. A conquista de muitas batalhas foram atribuídas ao uso da ponta dessa lança por muitos líderes, entre eles, Constantino, Carlos Magno, Napoleão e Hitler – este último desprezava o cristianismo, porém, a retirou do palácio de Noremberg, usando-a como símbolo de limpeza.

 

POSTADO POR ANDREA CORTIANO (PORTALDOSANJOS)

 

Category : ASTROLOGIA, CIÊNCIAS DIVINATÓRIAS

UMBRAL ???

Added 25/8/2012

NOSSOLAR

 

Em 1943, André Luiz, o médico que se tornou conhecido psicografando livros pela mediunidade de Francisco Cândido Xavier, trouxe a público o significado dado à palavra na colônia espiritual “Nosso Lar”, onde passou a viver alguns anos depois de seu desencarne. Em seu livro também chamado “Nosso Lar”, ele conta como ouviu falar do Umbral pela primeira vez, quando o enfermeiro Lísias lhe dava as primeiras informações sobre a colônia e descreveu-o como região onde existe grande perturbação e sofrimento e para a qual a colônia dedicava atenção especial.

Desde então, a palavra Umbral, escrita com inicial maiúscula, como o fez André Luiz no livro “Nosso Lar”, tomou significado especial, principalmente entre os espíritas, designando a região espiritual imediata ao plano dos encarnados, para onde iriam e onde estariam todos os espíritos endividados, perturbados e desequilibrados depois da vida. Com esta conotação a palavra difundiu-se muito e transformou-se num quase sinônimo do Inferno e do Purgatório dos católicos, com localização geográfica, tamanho, etc., conceito este que o próprio Allan Kardec, codificador do Espiritismo, já havia desmistificado em suas obras, mais de 80 anos antes, especialmente em “O Livro dos Espíritos”.

Como vemos pelas respostas dos espíritos a Kardec, o inferno e o paraíso não passam de estados de espírito, condição moral de sofrimento ou felicidade a que estão sujeitos os espíritos por suas próprias atitudes, pensamentos e sentimentos durante a vida encarnada e depois dela. E é bom lembrar que espíritos somos todos, encarnados e desencarnados, vivendo cada um o seu inferno e o seu paraíso particulares. O que nos diferencia dos espíritos desencarnados é apenas o fato de estarmos temporariamente presos a um corpo denso de carne.

De resto, somos absolutamente iguais a eles, com desejos, opiniões, frustrações, alegrias, defeitos e qualidades. Na verdade, a figura geográfica e espacial do inferno dos católicos serviu de molde aos espíritas para que melhor visualizassem o que seria o Umbral, assim como o inferno da Igreja Católica foi tomado emprestado e adaptado do inferno dos povos pagãos para compor os mitos de inferno e paraíso. Se não existe inferno ou purgatório porque haveria de existir o Umbral com localização, medidas, coordenadas, etc.? Tudo o que existe no plano espiritual é criado pela mente dos espíritos encarnados e desencarnados.

Sempre que pensamos nossa mente dispara um processo pelo qual somos capazes de moldar as energias mais sutis do universo, criando formas que correspondem exatamente àquilo que somos intimamente. Extremamente apegados ao mundo material, nada mais natural que, mesmo estando fora dele, queiramos tê-lo novamente quando desencarnados. É aí que nossa mente entra em ação, criando tudo o que desejamos ardentemente. E várias mentes desejando a mesma coisa juntas têm muito mais força para criar.

A grande diferença é que, no mundo físico, podemos embelezar artificialmente o nosso ambiente e a nossa aparência, enquanto que no plano astral isso não é possível, pois lá todos os nossos defeitos, mazelas, falhas, paixões, manias e vícios ficam expostos em nossa aura, exibindo claramente quem somos como consciências e não como personalidades encarnadas. No Umbral, tudo o que está fora de nós é conseqüência do que está dentro.

Tudo o que existe em nosso mundo pessoal e nos acontece é reflexo do que trazemos na consciência. Assim, o Umbral nada mais é que uma faixa de freqüência vibratória a que se ligam os espíritos desequilibrados, cujos interesses, desejos, pensamentos e sentimentos se afinizam. É uma “região” energética onde os afins se encontram e vivem, onde podem dar vazão aos seus instintos, onde convivem com o que lhes é característico, para que um dia, cansados de tanto insistirem contra o fluxo de amor e luz do universo, entreguem-se aos espíritos em missão de resgate, que estão sempre por lá em trabalhos de assistência.

Alguns autores descrevem o Umbral como uma seqüência de anéis que envolvem e interpenetram o planeta Terra, indo desde o seu núcleo de magma até várias camadas para fora de seus limites físicos. O que acontece é que os espíritos se reúnem obedecendo, apenas e unicamente, à sintonia entre si e acabam formando anéis energéticos em torno do planeta, ou melhor, em torno da humanidade terrena, pois ela é parte da humanidade espiritual que o habita e é também o foco de atenção de todos os desencarnados ligados a ele.

As camadas descritas em alguns livros são mais um recurso didático para facilitar o entendimento e o estudo do mundo espiritual, pois não há limites precisos entre elas, assim como não há divisas exatas entre um bairro e outro de uma mesma cidade, ainda que eles sejam de classes sociais bem diferentes. Ese mesmo mecanismo de sintonia é o que cria regiões “especializadas” no Umbral, como o Vale dos Suicidas, descrito por Camilo Castelo Branco, pela psicografia de Yvonne A. Pereira, em seu livro "Memórias de um Suicida". Espíritos com experiências de suicídio, vivendo os mesmos dramas, sofrimentos, dificuldades, agrupam-se por pura afinidade e formam regiões vibratórias específicas.

Assim também acontece com faixas energéticas ligadas às drogas, ao aborto, aos distúrbios psíquicos, às guerras, aos desequilíbrios sexuais, etc. Apesar de toda perturbação e desequilíbrio dos espíritos que vivem no Umbral, não devemos nos iludir. Existe muita disciplina, organização e hierarquia nos ambientes umbralinos. É o que nos mostra, por exemplo, o espírito Ângelo Inácio, pela psicografia de Robson Pinheiro, em seu livro "Tambores de Angola", e o espírito Nora, pela psicografia de Emanuel Cristiano, em seu livro "Aconteceu na Casa Espírita". Vemos ali o quanto esses espíritos podem ser inteligentes, organizados, determinados e disciplinados em suas práticas negativas, criando instituições, métodos, exércitos e até cidades inteiras para servir aos seus propósitos.

É preciso que compreendamos que todos nós já estamos vivendo numa dessas “camadas” de Umbral que envolvem a Terra e que todos nós criamos o nosso próprio Umbral particular sempre que contrariamos as leis divinas universais, as quais podem ser resumidas numa única expressão: amor incondicional. Mas o Umbral não é um mundo só de desencarnados. Muitos projetores conscientes (encarnados que fazem projeções astrais conscientes) narram passagens por regiões escuras e densas, semelhantes às descrições de André Luiz em "Nosso Lar".

Todos os encarnados desprendem-se do corpo físico durante o sono e circulam pelo mundo espiritual. Esse é um fenômeno absolutamente natural e inerente a todo espírito encarnado. Uma grande parte continua a dormir em espírito, logo acima de onde está descansando o corpo físico. Outros limitam-se a passear inconscientes pelo próprio quarto ou casa, repetindo, mecanicamente, o que fazem todos os dias durante a vigília.

E há os que saem de casa e vão além. Dentre estes, uma pequena parte procura manter uma conduta ética elevada, 24h por dia, tentando sempre melhorar-se como pessoa, buscando sempre ajudar e crescer e, muitas vezes, é levada ao Umbral em missão de resgate ou assistência, trabalhando com espíritos mais preparados, doando suas energias pelo bem de outros espíritos. Mas há um grande número dos que conseguem sair de seu próprio lar durante o sono e vão para o Umbral por afinidade, em busca daquilo que tinham em mente no momento em que adormeceram ou obedecendo a instintos e desejos inferiores que, embora muitas vezes não estejam explícitos na vigília, estão bem vivos em sua mente e surgem com toda força quando projetados.

Essas pessoas, muitas vezes, acabam sendo vítimas de espíritos profundamente perturbados ligados ao Umbral que as vampirizam e manipulam, em alguns casos chegando até a interferir em sua vida física, criando problemas familiares, doenças, perturbações psicológicas, dificuldades profissionais e financeiras, etc.

Vemos, assim, que o Umbral, de que falam André Luiz e tantos outros autores encarnados e desencarnados, está mais próximo de nós, encarnados, do que muitos de nós imaginam. E, o que é mais importante, somos nós mesmos que ajudamos a manter esse mundo denso com nossos pensamentos e sentimentos menos elevados.

Somos nós que damos aos espíritos perturbados, que se encontram ligados a essa faixa vibratória, grande parte da matéria-prima de que se valem para sutentar seu mundo de trevas e sofrimento. O Umbral está em todo lugar e em lugar nenhum, pois está dentro de quem o cria para si mesmo e acompanha o seu criador para onde quer que ele vá.

Toda vez que nos deixamos levar por impulsos de raiva, agressividade, ganância, inveja, ciúmes, egoísmo, orgulho, arrogância, preguiça, estamos acessando uma faixa mais densa desse Umbral. Toda vez que julgamos, criticamos ou condenamos os outros, estamos nos revestindo energeticamente de emanações típicas do Umbral. Toda vez que desejamos o mal de alguém, que nos deprimimos, que nos revoltamos ou entristecemos, criamos um portal automático de comunicação com o Umbral. Toda vez que nos entregamos aos vícios, à exploração dos outros, aos desejos de vingança, aos preconceitos, criamos ligações com mentes que vibram na mesma faixa doentia e estão sintonizadas com o Umbral. O Umbral só existe porque nós mesmos o criamos, e só continuará existindo enquanto nós mesmos insistirmos em mantê-lo com nossos desequilíbrios.

O Umbral é nosso também, faz parte do nosso mundo e não podemos renegá-lo ou simplesmente ignorá-lo. Assim como não podemos também fingir que não temos nada a ver com ele. Lá estão também algumas de nossas próprias criações mentais, de nossos sentimentos inferiores, de nossos pensamentos mais densos. E lá vivem espíritos divinos como nós, temporariamente desviados do caminho de luz em que foram colocados por Deus.

Por isso é importante que não vejamos o Umbral como um lugar a ser evitado ou uma idéia a não ser comentada, mas como desequilíbrio espiritual temporário de espíritos como nós que, muitas vezes, só precisam de um pouco de atenção e orientação para se recuperarem e voltarem ao curso sadio de suas vidas. É comum encontrarmos médiuns e doutrinadores que têm medo ou aversão ao trabalho com espíritos do Umbral, evitando atendê-los, ignorando-os friamente ou tratando-os como criminosos sem salvação que não merecem qualquer compaixão ou respeito.

Estas pessoas esquecem-se de um dos preceitos básicos da espiritualidade: a caridade. Os habitantes do Umbral não são nossos inimigos, mas espíritos que precisam de compreensão e ajuda. Não são irrecuperáveis, mas perderam o rumo do crescimento espiritual. Não estão abandonados por Deus, mas não sabem disso e desistem de procurar orientação. Não são diferentes de nós, mas tão semelhantes que vivem lado a lado conosco, todos os dias, observando nossos atos, analisando nossos pensamentos, vigiando nossos sentimentos, prestando atenção às nossas atitudes.

E, se não queremos ir ao Umbral por afinidade, que nos ocupemos em nos tornar seres humanos melhores, mais dignos, mais éticos, 24h por dia. Desse modo, nossa passagem pelo Umbral será sempre na condição de quem leva ajuda sem medo, sempreconceito e sem sofrimento, e não de quem precisa de ajuda para superar seus próprios medos, preconceitos e dores.

(Maísa Intelisano)

Artigo originalmente escrito para a revista Espiritismo e Ciência, da Editora Mythos e publicado na edição 16 - Ano 2 fonte: http://somostodosum.ig.com.br/clube/artigos.

Category : RELIGIÕES, RITUAIS, ORAÇÕES, MEDITAÇÕES, REFLEXÕES

O SIGNIFICADO DAS CORES - Mestre Saint Germain

Added 23/8/2012

cores

O branco é a cor da pureza e vós deveis usá-lo e dele vos rodear. Ele contém todas as outras cores.

O violeta é uma cor que vibra muito alto e muito rapidamente; purifica e consome tudo o que não é luz. Quando se quer purificar a vida, para alcançar a própria vibração, é preciso usar violeta. A humanidade inteira deve passar por um estado de purificação; assim sendo, o violeta deve estar por toda a parte.

O amarelo é a cor da sabedoria. Ele tem uma vibração que acalma e pacifica.

O azul é a cor da energia. É preciso qualificar esta vibração pela vibração do amor, que é o rosa.

O verde é a cor da abundância, abundância de luz, abundância de substância, abundância de dinheiro. O verde e o amarelo juntos são um talismã para se obter tudo aquilo de que se tem necessidade.

O rosa é o amor divino.

O vermelho é má Vibração de cólera. Nunca os Mestres o empregam. É, além disso, uma cor que anuncia o perigo e, se os toureiros o empregam para excitar a cólera dos touros, que efeito pensais que ela produz nos humanos, que têm um sistema nervoso mais delicado e mais sensível?

O negro é a ausência de toda vibração benéfica. O negro não deixa passar a luz cósmica. Nenhum bem pode resultar do emprego do negro. Não useis nunca o negro, é a cor da renúncia a toda sorte, a toda felicidade, à luz. E quem quer renunciar à luz? As criancinhas são muito sensíveis às cores. Elas ficam contentes quando as pessoas que as rodeiam usam o branco, o rosa, o azul claro, o amarelo, o verde, o violeta. Mas choram quando se as toma nos braços vestidos de vermelho ou de negro. A noite é negra, dir-se-á; não, a noite não é negra, ela é azul, ela é benéfica, ela é pura, ela é construtiva.

Meus queridos filhos da luz, usai cores claras e puras que deixem passar a força cósmica. Não useis nunca o vermelho, nunca o negro, o marrom, o cinzento, o grenat; não useis nunca tintas misturadas, compostas, sujas ou neutras. Deixai passar a luz através de vossas roupas, cercai-vos de cores vibrando alto. Que a luz cósmica vos atravesse, vos banhe e vos envolva...

As cores são muito, muito importantes na vida dos humanos. Fazei apelos contra a força sinistra que influencia a moda. Pedi que Deus ilumine os portadores de vestes negras ou vermelhas. Pedi que os corpos mentais superiores dos humanos os influenciem no sentido das cores construtivas e benéficas.

Quantas cenas são provocadas por um vestido ou um casaco vermelho. Quanta tristeza poderia ser banida da Terra, se a cor negra fosse banida do uso dos homens! As cores têm uma grande importância. Elas têm vibrações que correspondem a certas qualidades e é suficiente usar uma cor que corresponda, por exemplo, à discórdia, para mergulhar a discórdia na corrente cósmica. Tudo é vibração.

Meus filhos, mantende vosso padrão, subi, subi na luz, no branco, e nada mais de mal poderá vos atingir. O branco é a cor da pureza ideal e da luz. A instrução de Saint Germain deve ser fielmente adotada, porque nós a preparamos para ajudar os Ocidentais a evoluir. Adotamos estas regras para nós e para vós. Essas vibrações são necessárias à vossa atividade e se eu fosse vós, daria muita atenção às cores que usais e que vos rodeiam.

É preciso guardar o ensinamento de Saint Germain convosco e pô-lo em prática. Um ser que está vestido como não deve, não pode irradiar como nós irradiamos. Somos seres de cores brilhantes como vós, mas não podeis irradiar se não deixais vossa luz sair de vós, e as cores destrutivas destróem e abaixam vossas vibrações e vossas cores.

Pensai nisso, meus queridos filhos, e cumpri nossas vontades. Nós vos faremos subir mais alto nas nossas oitavas. Essas cores não são da luz. Ora, não há senão luz nas nossas oitavas. Somos todos brancos, rosas, azuis, amarelos, malvas *, verdes e nada fazemos para esconder nossa luz. Se quiserdes vir a nós, não filtreis vossa luz.

*Cor da flor de malva, que é arroxeada. (Nota da tradutora).

As idéias que fazem os humanos sobre as cores não impedem de cumprir-se a lei. As cores têm todas sua vibração que corresponde às qualidades e aos defeitos e nada, nem pessoa alguma, poderá mudá-las. É uma lei imutável e é preciso conhecê-la e respeitá-la quando se quer ser feliz. Nós vos rogamos refletirdes nisso e vos conformardes. Nós vos abençoamos.

 

CENTRO ESPIRITUAL DE VAHALI - BRASIL

FaceBook:https://www.facebook.com/pages/Vahali-Brasil/

http://www.vahalibrasil.org.br/site/

Category : SAÚDE, ENERGIA, CIÊNCIAS ALTERNATIVAS

CALENDÁRIO DE DUENDES E GNOMOS - Cromo Caio

Added 8/8/2012

O mundo dos duendes, gnomos, fadas, ou seja, de todos os elementais da natureza, é tão antigo quanto a própria terra. E, embora, muitos teimem em negá-los, eles são tão reais quanto os anjos e os espíritos.Eles existem em suas próprias dimensões e exploram nossos domínios, sem termos possibilidade de vê-los.

São mencionados no Egito como entidades que apareciam no momento do nascimento de uma criança e tinham o poder de prever seu futuro. Igualmente, na literatura sânscrita, cinco mil anos antes da nossa era, já eram conhecidos estes pequenos personagens, classificados hoje como duendes e gnomos. A "Cabala", faz referências a pequenos gênios que vivem debaixo da terra, que ajudaram Salomão na construção do Templo de Jerusalém. O "Talmud, por sua vez, afirma que as plantas eram habitadas por diminutas criaturas. Okuninushi, uma das deidades do Shinto japonês, descreve um deus que habitava no alto de uma árvore que navegou sobre a crista de uma folha e veio em sua ajuda. Era um anão chamado Sukuna-bikona, o qual cabia na palma de sua mão, cujo poder era tal, que ambos decidiram construir o mundo para o bem da humanidade, dedicando-se em primeiro lugar, a erradicar todas as enfermidades.

Na atualidade, estes pequenos seres, são investigados pela parapsicologia e são chamados de ECNI (Entidades coexistentes não identificadas). Há pessoas, que devido a uma especial sensibilidade, percebem este mundo sutil (no sensorial) e quando conseguem comunicar-se com eles, podem nos transmitir novas informações.

GNOMOS E DUENDES

Gnomos é uma denominação extraída do grego, genomos, cuja significação é: "o que vive dentro da terra". Os gnomos são mais velhos e mais poderosos do que os duendes. Preferem viver em ambientes naturais e tranqüilos. São os gnomos que comandam os duendes, que vão e vem constantemente para ajudar os humanos. A palavra "duende" é a apócope de "dono de casa". E realmente, estes personagens quando se instalam em algum lugar, ali permanecem.Os duendes se contrapondo as fadas, são todos masculinos. Os gnomos e duendes estão em harmonia com a natureza e seus tesouros. As pessoas que têm acesso a eles, e conseguem estabelecer um vínculo amigável, são agraciadas com muita sorte. Para contatá-los, devemos ter um conhecimento prévio da afinidade energética e de como vibram no decorrer dos doze meses do ano.

 

ESTE É UM DOS CALENDÁRIOS CONHECIDOS, EXISTEM VÁRIOS...ELEMENTAIS

MÊS DE JANEIRO GNOMO: "IGOR" DUENDE:"RIMON" PROPRIEDADES: Bem-estar - Proteção - Alegria. IGOR é um gnomo muito poderoso e ao iniciar um Novo Ano, é interessante chamá-lo para nos trazer prosperidade e harmonia. Melhoria financeira é um direito de todos nós. Viemos para este mundo para tornarmos vencedores, por isso não contente-se com pouco, pense grande, pois seu pensamento já é a materialização de um futuro promissor. Esse gnomo sempre é acompanhado pelo Duende RIMON, que é muito brincalão e alegre e pode ser visualizado à margem dos rios, confeccionando vasos de barro.

MÊS DE FEVEREIRO GNOMO: "ELIO" DUENDE: "WULL" PROPRIEDADES: Depressão - Tristeza - Beleza - Sedução ELIO é um gnomo que nos ajuda a melhorar a auto-estima, nos transbordando de forças e energias, necessárias para sairmos de depressões ou superarmos grandes desilusões. Também no amor e sedução é um grande aliado da mulher. Este gnomo pode ser invocado, em qualquer época do ano, mas é no mês de fevereiro que sua vibração torna-se maior.

MÊS DE MARÇO GNOMO: "HARUMH" DUENTE: "VERNY" PROPRIEDADES: Liberação Esse caudilho sempre vem acompanhado pelo duende VERNY, que nos auxilia a nos libertar de forças de baixo astral e limpar nossa casa e negócios. Se fazem presentes, chamando-os pelos nomes e acendendo um incenso de limpeza. Tanto HARUMH como VERNY são poderosos para limpezas.

MES DE ABRIL GNOMO: "ZOCOSS" DUENDE: "JEFTE" PROPRIEDADES: Trabalho - Dinheiro ZOCOSS é o caudilho do dinheiro, ao qual devemos pedir trabalho. Ele é um grande protetor e administrador monetário que nos orienta com a administração de nosso dinheiro. Dinheiro ainda, não "cai do céu", nem "cresce em árvores", portanto precisamos ganhar o dinheiro. Para ganhá-lo, precisamos trabalhar. A nossa natureza anseia pela possibilidade de expressão que denominamos "trabalho". Sem ele, sofremos uma grande perda da nossa dignidade. Invocando esse gnomo e o duende JEFTE, eles nos ajudarão de imediato a acomodar todo o tipo de situações referentes a trabalho e dinheiro.

MÊS DE MAIO GNOMO: "GIAFAR" DUENDE: "CLION" O gnomo GIAFAR, nos dará forças quando nossa energia decaí, vítima dos avatares da vida. É bom invocá-lo, quando estamos com nossas defesas muito baixas, muito estressados ou quando tivermos diante de uma delicada decisão de negócios. GIAFAR nos enviará então CLION, que nos acompanhará, protegendo-nos e nos envolvendo com um círculo magnético que nos energizará.

MÊS DE JUNHO GNOMO: "PAN" DUENDE: "YARK" PROPRIEDADES: Paciência - Entendimento O gnomo PAN é um caudilho que se todo invocar em qualquer momento de nossas vidas que nos for exigido calma. A ansiedade e o nervosismo pode nos levar à atos impulsivos e indesejados. PAN também nos ajuda para alcançarmos o entendimento, principalmente o âmbito familiar. É YARK que nos trará como presente a vibração necessária para a calma se estabelecer.

MÊS DE JULHO: GNOMO: "RASCHIB" DUENDE: "EDOSS" PROPRIEDADES: Confiança - Segurança -Zêlo Esse gnomo nos ajuda a trabalharmos a falta de confiança de nós mesmos, como também, os sentimentos de inveja e ciúmes que obscurecem nossa aura. O descrédito pessoal pode levar-nos à desejos destrutivos. Todos nós nascemos com algum dom que é inigualável. RASCHIB, quando chamado, virá em nosso auxílio, limpando nosso campo áurico e nos outorgando confiança e segurança. Seu colaborador, o duende EDOSS, enviará então seus raios com cor de arco-íris para uma total harmonia.

MÊS DE AGOSTO: GNOMO: "MOBARACK" DUENDE: "OLDH" PROPRIEDADES: Saúde - Gestação - Fé Este gnomo conhece todos os poderes mágicos-alquímicos deste planeta. Devemos chamá-lo em casos de qualquer tipo de problema de saúde, dores e proteção do feto durante sua gestação. MOBARACK possui um grande poder energético e ao ser chamado, virá imediatamente desferindo luz para as partes doentes de nosso corpo. É necessário, entretanto, que tenhamos em nossa mão uma pedra de cristal de quartzo. O duende OLDH é quem aliviará os males de dor de cabeça e problemas estomacais.

MÊS DE SETEMBRO: GNOMO: "JENNY" DUENDE: "PYLOO" PROPRIEDADES: Amor - União - Harmonia JENNY é o gnomo do amor, caudilho dos apaixonados, mas que detesta mentiras e enganos. Só o chame quando houver problemas de índole amorosa ou de desunião, com o seu cônjuge ou familiar. PYLOO é o duende que virá em nosso auxílio, com seus raios violetas para transmutar as energias negativas para positivas, que cercam nossos entes queridos.

MÊS DE OUTUBRO GNOMO: "HARUKO" DUENDE "SMARK" PROPRIEDADES: Proteção - Afugentar todo o mal. Esse caudilho possui um efeito de proteção incrível. Zela pelos humanos não permitindo que nada de mal lhes aconteça. Tanto HARUKO como SMARK, nos encerram em uma bolha de cor dourada, rebotando todas as energias negativas que tentem nos atingir. Eles amam muito crianças e velhinhos.

MÊS DE NOVEMBRO: GNOMO: "OTBAT" DUENDE: "BASY" PROPRIEDADES: Dinheiro - Azar - Juízos O gnomo OTBAT é o caudilho que cuida do caldeirão de ouro. É ele que nos orienta no que se refere ao tema de dinheiro e juízos. Ao chamá-lo, virá para iluminar nossa mente para não nos equivocarmos no caminho do dinheiro e da justiça. O duende BASY já nos ajuda em jogos e em tudo o que se refere a azar.

MÊS DE DEZEMBRO: GNOMO: "MAGREBIN" DUENDE: "VIKRAN" PROPRIEDADES: Fortaleza - Entusiasmo - Saúde - Dinheiro - Amor Esse caudilho exerce efeito de limpeza tanto no interior como no exterior. Afugenta todas as ondas de negatividade que nos rodeiam. Como é o último mês do ano, dezembro exige demais de todos nós e o gnomo MAGREBIN ao escutar nosso chamado, virá para nos envolver com os seus raios dos sete poderes, que nos deixará mais revigorados e entusiasmados para encararmos as festividades desse mês. O duende VIKRA, que vem para assessorar MAGREBIN, afugentará todo o mal de nossas vidas.

No dia de natal seria muito bom, depositarmos no jardim uma taça com vinho, mel e avelãs como agradecimento a este povo pequeno, que tanto nos ajudou durante todo o ano.

07 de dezembro - Calendário Mágico DIA DE GHOB Ghob é o Rei dos Gnomos, também conhecido como Chobb, e costuma andar em companhia de Uriel, arcanjo que governa esta categoria de elementais. Ele governa o reino mineral e pode conferir o ouro espiritual. O Rei Ghob fornece os poderes mágicos aos gnomos e a força para que eles consiguam proteger os tesouros secretos da humanidade. É poderoso e comanda todo o mundo místico dos gnomos e duendes. É atarrancado, pesado e denso; aparece na imagem tradicional do gnomo, ou “goblin”, transparecendo idade avançada, força animal e uma grande sensação de “peso” intrínseco.

Procure andar descalço na natureza enquanto visualiza o que deseja, abrace uma árvore frondosa e ofereça algumas pedras a Ghob em sinal de agradecimento por todos os tesouros da sua vida!!! No seu dia, oferte-lhe um pequeno tesouro, deixe em uma caixinha algumas moedas douradas, doces e balas e outros objetos pequeninos enterre-a oferecendo esses “tesouros” a Ghob.

Category : RELIGIÕES, RITUAIS, ORAÇÕES, MEDITAÇÕES, REFLEXÕES
| Contact author |